Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As Duas Arcas do Castelo de Montemor-o-Novo...

por cascalenses, em 27.04.15


Castelo1.jpg

 

por João Aníbal Henriques

Há muitos anos, durante o domínio árabe, vivia no Castelo de Montemor-o-Novo um castelão muito rico que tinha uma filha formosa e casadoura. Enquanto ele procurou encontrar um noivo rico para desposar a menina, ela apaixonou-se por um simples e pobre soldado malgrado a oposição do pai. Sem dele conseguir obter a aprovação de que necessitava para casar com o seu apaixonado, a menina resolve fugir do castelo abandonando definitivamente o seu lar. O castelão, apesar dos muitos esforços que fez para recuperar a sua filha, chegou ao fim da vida roído pelo desgosto de não a voltar a ver. Na hora da morte, ao dispor dos seus bens, resolveu deixar-lhe tudo o que tinha, pedindo encarecidamente que a encontrassem e a informassem desta sua derradeira decisão. Mas não foi linear na forma como o fez… depois de encher uma arca com toda a sua riqueza, encheu uma segunda arca, absolutamente igual à primeira, com uma enorme maldição, instando a filha a escolher bem aquela que desejava abrir em primeiro lugar. Quando chegou ao castelo para recolher a sua herança, a filha foi informada deste desígnio e, com medo de abrir em primeiro lugar a terrível maldição, não ousou escolher, tendo optado por deixar no castelo ambas as arcas, uma com um grande tesouro e a segunda com uma terrível maldição. Reza a lenda que ainda hoje, passados muitos séculos desde este nefasto acontecimento, estão enterradas algures no Castelo de Montemor-o-Novo as arcas em questão. Resta encontra-las e ter a coragem de arriscar ser tocado pela ancestral maldição!

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08

A Vocação Turística de Cascais no PDM

por cascalenses, em 27.04.15

 

 

Assumir a vocação de Cascais neste processo de revisão do Plano Director Municipal, esforço hercúleo se nos ativermos ao avançado estado de degradação em que se encontra o Concelho e ao facto de esta ser, provavelmente, a última oportunidade para o fazer em termos de recuperação das características principais que deram forma ao sector turístico no território municipal, é assim o desafio que deveria colocar-se aos autores desta proposta. Só assim, com o caminho definido e assumido, é possível aos agentes da nossa cidadania programarem os seus projectos e ideias, consolidando-os a partir das metas que se traçam sobre as orientações que o documento deveria incluir.

 A justificação destas escolhas, mais do que em pretensas ideologias ou em princípios, passa pelos factos concretos e pela situação real em que vive o Concelho. A apresentação desses dados, de forma clara e insusceptível de crítica, fundamenta assim a possibilidade de se tornarem incontroversas, por representarem a realidade e assim representarem também Cascais e os cascalenses, as escolhas que se fazem, promovendo o trilhar de um caminho que, quer queiramos quer não, é o caminho mais profícuo para a geração de equilíbrios espontâneos neste Concelho. Muitos movimentos progressistas, que defendem que as antigas localidades devem evoluir abandonando a sua génese urbana e social e assumindo uma urbanidade assente em valores renovados que renegam as suas origens, teimam em apelar aos poderes políticos para que se repensem os fundamentos da orientação teórica subjacente ao PDM. Fazem-no por acreditarem que o futuro e o passado são incompatíveis, numa linha que critica a solidez estrutural de uma comunidade em detrimento de uma permanente movimentação que, segundo eles, é sinónimo de progresso e desenvolvimento.

Ora em Cascais passa-se exactamente o mesmo. Quatro décadas de ambiguidade, contornando regulamentos e planos que pouca ou nenhuma influência real tinham na definição do desenvolvimento municipal, promoveram um clima de profunda desonestidade intelectual que foi responsável por episódios diversos ao nível do urbanismo concelhio que nada dignificam Cascais nem o brio que os Cascalenses sentem pela sua terra.

Mas o grande problema é que, fruto deste marasmo que sempre interessa a alguns, se está a dar razão aos progressistas atrás mencionados. De facto, num clima de transversal anomia que vivemos, faz mais sentido abdicar do antigo e assumir unicamente os caminhos novos que surgem sem vícios e sem vicissitudes. Casos paradigmáticos como o da Amadora, no qual a assunção do seu carácter metropolitano facilitou os serviços, a gestão urbana mas destruiu por completo a identidade do local, mostram que as comunidades locais, mais do que qualquer outra realidade, deverão ser preservadas a todo o custo, uma vez que se assumem como o garante dos equilíbrios sociais internos, promovendo a qualidade de vida, a sociabilidade e a correcta gestão dos recursos.

Assumir este princípio pressupõe assegurar à comunidade valores e determinações que lhe garantam a possibilidade de sobrevivência. Isto passa, como é evidente, pela manutenção da identidade do grupo; pelo reforço das suas prerrogativas; e pela rentabilização das suas necessidades efectivas que deverão ser respondidas de forma a garantir que rentabilizam o próprio processo, sustentando uma modificabilidade que envolve todos os cidadãos. A vocação cosmopolita de Cascais, génese primordial da sua componente turística e de perto de 140 anos de uma História extraordinária associada ao nome e à marca ‘Estoril’, ao contrário daquilo que muitos defendem, foi sempre geradora de processos evolutivos que garantiram modificação e mudança. Esta, no entanto, processou-se sempre com respeito especial pelas preexistências, solidificando assim uma base que, mesmo nos momentos mais problemáticos da vida do Concelho, permitiram sempre a restauração dos equilíbrios e a recriação dos seus valores comunais.

O Plano Director Municipal que agora se revê, em respeito linear por aquilo que desde sempre tem sido o devir histórico no Concelho, deve ser um plano de futuro, reestruturando o presente de forma a condicionar um ritmo de progresso concertado e equilibrado que seja sinónimo de mais e melhor qualidade de vida para os Cascalenses. Mas para que tal aconteça, tem obrigatória e necessariamente de respeitar o passado e de ser capaz de o conhecer, de o entender e de o contextualizar, porque dele depende a continuidade da identidade municipal que é o sustento primordial da vocação municipal.

Como é evidente, do equilíbrio entre estes dois tempos, o que já terminou e aquele que ainda está para vir, depende a capacidade de Cascais usufruir plenamente de um presente audaz, devolvendo a Cascais a capacidade de permanente inovação que fez desta terra um espaço pioneiro em muitos campos ao longo da sua comprida história.

O estabelecimento de normas concretas e orientações definidas, se garantirem a tradução sistemática da vontade e sentir dos cascalenses, promoverá a reconversão integral da sua paisagem e da sua identidade, garantindo uma qualidade de vida que promove a cidadania.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:23

Assembleia da República Imune à Verdade

por cascalenses, em 24.04.15

 

 
 
Em resposta ao pedido feito pelo deputado e ex-Ministro Miguel Macedo para que fosse levantada a sua imunidade parlamentar para lhe permitir ser ouvido e defender-se no caso dos vistos gold que está actualmente em investigação, a Comissão de Ética da Assembleia da República respondeu negativamente, escudando-se no facto de o antigo governantes não ter sido constituído arguido nem testemunha no dito processo e explicando que, dessa forma, estaria a defender a instituição!
 
Esta decisão, tomada unanimemente por todos os partidos ali representados, representa mais uma machadada, ao abrigo da legalidade que depende da própria Assembleia da República, no rigor e na transparência que deveria acompanhar a prática política em Portugal.
 
Dizem que quem não deve não teme. E, assim sendo, a audição do antigo ministro nas instituições próprias contribuiria para reforçar a transparência que os Portugueses desejam e para afastar o clima de transversal suspeição que acompanha ultimamente os agentes políticos. É que, conforme Miguel Macedo mostrou quando efectuou o pedido, o processo em causa é um assunto do foro da justiça e não da política.
 

 

Mas, 41 anos depois do 25 de Abril, todos sabemos que só quem não deve é que não teme… 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50

Os Insultuosos Direitos dos Pilotos da TAP

por cascalenses, em 24.04.15

 

 
 
A importância da TAP é em primeira instância estratégica. Mais do que o interesse comercial que eventualmente poderia ter para o País, ou o interesse logístico no assegurar ligações que estivessem em linha com as necessidades dos Portugueses, estrategicamente a existência de uma companhia Nacional de bandeira, como a TAP ainda é, cumpre o objectivo de reforçar a autonomia de Portugal e de sublinhar a independência do País perante interesses terceiros que contra ele se levantem.
 
Por isso (e somente por isso) se justifica que o Estado tenha, ao longo de muitos anos, vindo a cobrir prejuízos acumulados de muitos milhões que, a coberto do seu interesse público, põem todos os Portugueses a sustentar a sobrevivência da companhia.
 
Sabendo-se agora que é insolúvel e insustentável esta situação, numa altura em que o Estado se debate com problemas orçamentais gravíssimos e em que os Portugueses já não têm condições para suportar novos aumentos que serviriam para sustentar a transportadora, a única solução possível e viável é a privatização que este governo (finalmente) teve a coragem de decidir e concretizar.
 
Num cenário como este, como é evidente, assume especial importância a componente comercial do negócio. Ou seja, quem vier a comprar a TAP (se alguém ousar fazê-lo) fá-lo-á exclusivamente por esse ser um negócio potencialmente interessante e certamente rentável (o que a TAP já provou que neste modelo de gestão pública não consegue). E, mais importante ainda, será concretizado contornando os interesses Nacionais acima descritos, por os mesmos não serem compatíveis com a componente comercial que este negócio terá obrigatoriamente de ter.
 
Ora com esta greve anunciada, sustentada num direito consagrado na Lei, os pilotos da TAP comprometem os interesses estratégicos que de alguma forma explicavam a existência da companhia. E, por outro lado, comprometem simultaneamente os interesses comerciais que eventualmente poderiam conduzir a uma privatização que salvaria a empresa. Com este acto, dão razão àqueles que discordavam do facto de os Portugueses andarem a pagar milhões de Euros para sustentar a TAP e simultaneamente fazem-no também com aqueles que, sendo contra a privatização, defendem uma profunda reestruturação da companhia, vendendo aviões e equipamentos, despedindo funcionários e adaptando-se a uma dimensão que esteja em linha com as suas reais capacidades.
 
Com esta greve, que mesmo que venha a ser desconvocada está a provocar danos que terão profundas repercussões na sobrevivência da empresa, os pilotos estão a condenar a TAP a uma única saída possível: despedimento colectivo e o encerramento da mesa. 
 
Dadas as circunstâncias, a irresponsabilidade, o desrespeito e o egoísmo que esta greve configura, só nos resta defender que assim aconteça. Mas que o seja de forma imediata e rápida, evitando mais prejuízos para Portugal e para os Portugueses. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:58

Censura Prévia à Democracia

por cascalenses, em 24.04.15

 

 
 
Nas vésperas de mais um aniversário da revolução de 1974, no meio de uma pretensa guerra feroz entre os partidos que controlam a democracia, eis que PSD, PS e CDS se juntam para alterar as regras que determinam a forma como a comunicação pode cobrir as campanhas eleitorais.
 
Os três partidos, que foram capazes de gerar consensos em torno desta temática, pretendem passar a intervir directamente na liberdade de informação, condicionando os jornais e os jornalistas à apresentação de um plano prévio que será autorizado (ou não) por uma comissão dita independente que será composta por três elementos- dois da Comissão Nacional de Eleições e um da Entidade Reguladora para a Comunicação Social – que conforme facilmente se percebe, são escolhidos por eles… ou seja, com esta proposta, os partidos políticos que controlam o poder passam a controlar também o que pode e como pode a comunicação social informar os Portugueses! Com esta surpreendente proposta, deixa de existir liberdade de informação, voltando a haver uma versão “normalizada”, “controlada” e “adaptada” dessa mesma realidade, evitando assim que Portugal e os Portugueses possam conhecer o que realmente vai acontecendo. O regresso de uma espécie de “visto prévio” sem o lápis azul!
 
Contado desta maneira, quase parece mentira que tenha sido possível chegar-se a este ponto. Conhecendo os partidos em questão, com as dúvidas que o PSD tem apresentado relativamente à confiança que lhe merece o CDS; com a irrevogável incapacidade demonstrada pelo CDS para corresponder com transparência aos desafios que lhe são colocados pelos Portugueses; e com um PS literalmente a navegar na maionese sem ser capaz de apresentar uma alternativa politicamente credível aos Portugueses; todos perceberam que nenhum deles representa quem quer que seja e que, por isso, estão condenados a desaparecer paulatinamente dos laivos e resquícios de democracia que ainda sobrevivem neste País sui-generis. E imediatamente foram capazes de se sentar juntinhos à mesa para cozinhar este acordo que põe em causa a liberdade dos Portugueses… 
 
Parece mentira. Mas infelizmente não é.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:55

Mais uma Greve nos Transportes

por cascalenses, em 15.04.15

 

 
 
Depois de um número absolutamente inaceitável de greves que se estendem desde há mais de um ano e que prejudicam de forma muito grave a vida dos utentes e demais passageiros da CP, e de uma greve suicida com a duração de cinco dias durante o período das férias da Páscoa, com implicações gravosas e incongruentes no sector do turismo, eis que se anuncia nova greve na Refer para o próximo dia 16 de Abril.
 
 Esta forma de luta, que é um direito legalmente constituído, deveria assentar num respeito incontornável pelo direito que os utentes têm de utilizar um meio de transporte pelo qual já pagaram e do qual dependem para trabalhar. Deveria também, num estado que se quer de direito, respeitar o facto de os ditos utentes nada terem a ver com qualquer espécie de reivindicações apresentadas pelos sindicatos para justificar a greve. Deveria, porque disso depende a sobrevivência da própria democracia, dar corpo à máxima de que só merece respeito quem respeita.
 

 

E por isso, num clima generalizado de mal-estar e de incómodo de centenas de milhares de Portugueses perante esta postura desrespeitosa e irresponsável dos sindicatos que convocam estas greves, somos obrigados a concordar com a frase que cada vez se ouve mais nos comboios Portugueses: “privatizem isto rapidamente e ponham esta gente toda no olho da rua”!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:19

Apresentação do Livro "Cascais" de Isabel Magalhães e João Aníbal Henriques

por cascalenses, em 10.04.15

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 01.jpg

 

 

Decorreu ontem, no Hotel Baía, em Cascais, a sessão de apresentação do livro "Cascais - Estratégia de Futuro para a Nossa Terra" da autoria de Isabel Magalhães e João Aníbal Henriques. Com mais de 200 convidados presentes os autores sublinharam a importância do planeamento estratégico como forma de garantir a sustentabilidade de Cascais, assumindo o turismo como a vocação municipal prioritária. O historiador Paulo Morais-Alexandre, que apresentou a obra, salientou diversos aspectos relacionados com a paulatina degradação dos espaços concelhios, explicando que o Plano Director Municipal é o instrumento mais importante para a definição das regras-gerais que darão corpo à projecção do crescimento muncipal ao longo dos próximos (pelo menos) 10 anos.

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 02.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 03.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 04.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 05.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 06.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 07.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 08.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 09.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 10.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 11.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 12.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 13.jpg

 

João Aníbal Henriques e Isabel Magalhães 14.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:06

Quando o Estoril era um Destino Turístico de Excelência

por cascalenses, em 08.04.15

 

 
 
Noutros tempos as prioridades eram diferentes. Cascais criou e desenvolveu a marca 'Estoril' queservia de base à sua promoção internacional. O Estoril logo se tornou numa referência mundial em termos de turismo de qualidade e, quando o poder político actual decidiu extingui-lo, era o terceiro destino turístico mais pujante de Portugal... São opções que põem em causa os interesses de Cascais e dos Cascalenses.
 
 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2001
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2000
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1999
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1998
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D
  287. 1997
  288. J
  289. F
  290. M
  291. A
  292. M
  293. J
  294. J
  295. A
  296. S
  297. O
  298. N
  299. D

subscrever feeds