Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cascalenses

cascalenses

Tendências Demográficas no Cascais Medieval

22.03.16, cascalenses

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
O primeiro numeramento de Cascais data de 19 de Setembro de 1527. Sendo já posterior à época medieval, da qual não existem registos efectivos acerca do que se passava neste concelho, vamos tomar como base desta análise a curva demográfica de Cascais durante este período da baixa Idade Média e a partir daí comparar teoricamente as tendências das principais cidades Portuguesas e Europeias, assumindo, desta forma, alguma linearidade nos comportamentos demográficos da velha vila de pescadores.
 
Assim, à excepção de Toulouse, a tendência mais evidente da demografia urbana europeia é a de um aumento sustentado do contingente populacional. Assim acontece com as principais cidades da Europa de então, tendência que se confirma em Portugal com os dados que temos relativos à cidades de Lisboa ou de Lagos. Da mesma forma, encontra-se uma tendência generalizada para um período de recessão nos finais do Século XIII e inícios dos Século XIV que, com um carácter fulgurante em cidades como Florença, em Itália, atingiu de forma medíocre as restantes cidades europeias com dados conhecidos. Segundo Carlo Cipolla, a crise que afectou a Europa nessa época não passou de uma rectificação natural da demografia urbana, respondendo de forma directa ao excesso populacional acumulado em determinadas regiões, ainda sem o suporte essencial em termos de salubridade e saúde pública e pouco preparadas para sustentar esse crescimento.
 
Por esse motivo, muitas foram as cidades e/ou pequenos aglomerados populacionais que viram bastante reduzido o seu contingente populacional durante este período, provocando um surto de mortandade que acompanhou o recrudescimento de diversas epidemias e doenças.
 
 
 
 
Zonas pouco apetrechadas em termos urbanísticos, como era o caso da Vila de Cascais durante esse período, sofreram assim as consequências nocivas da sua impreparação, facto que conduz a um intervalo de tempo que se caracteriza por uma imensa razia em termos do número de habitantes, obviamente com repercussões directas a várias níveis da organização social dessas terras. Será possivelmente esta a explicação que nos permite perceber o reduzidíssimo número de Cascalenses que existiam nessa época e que Oliveira Marques aponta num dos seus artigos sobre Cascais: ”É provável que em meados de trezentos, para mais com as consequências da peste negra, o número de habitantes da jovem vila não fosse além dos duzentos ou trezentos, se é que os atingia sequer. E no termos correspondentemente”.
 
Na carta régia de 1385 de Dom João I, o despovoamento de Cascais torna-se evidente, sentindo o monarca que chegou à altura de incentivar o mesmo. É também nesta mesma carta que o rei levanta o problema do Castelo de Cascais, sublinhando a sua importância na estratégia de defesa de Lisboa. Sê-lo-á em termos meramente militares e políticos ou também em termos económicos e estratégicos?...
 
No que concerne à densidade populacional nas freguesias cascalenses, é notório e muito evidente a enorme discrepância existente entre aos espaços rurais e urbanos. Esta dualidade surge bem expressa nos números que traduzem, por exemplo, a realidade na Freguesia de Cascais, que sobressai com 10,5 habitantes por km2, em contraste com os cerca de 4,3 habitantes por km2 em espaços como Carcavelos e São Domingos de Rana. Na primeira temos uma realidade marcantemente urbanizada, recriando-se em torno do conjunto habitacional coeso que enche o seu espaço amuralhado, e nas segundas surge a realidade de âmbito rural, com as explorações agrícolas e o minifúndio a imporem a sua realidade.
 
Embora pouco importante para a determinação daquilo que foi Cascais durante este período, é certo que este quadro nos permite supor um povoamento da vila de Cascais muito anterior àquele que supostamente surge na documentação oficial, precedendo-a e alterando os dados efectivas recolhidos em época posterior. Fazendo o exercício de completar os dados inexistentes de Cascais com aqueles que caracterizam as restantes cidades de Portugal e as principais tendências nos espaços urbanos europeus, parece lícito supor que a continuidade da linha demográfica na vila se encaixa no fluxo corrente que caracteriza a Europa anteriormente.
 
Prova ainda mais contundente deste pressuposto é a que nos oferece o Professor Oliveira Marques no estudo atrás mencionado e que nos diz que: “O número de besteiros do conto, de cerca de 1422, atribuía ao Concelho de Cascais 20 besteiros, cifra igual na comarca da Estremadura, à de Sintra e à do Soure e próxima à de Alenquer e à de Óbidos”. Este mesmo número está confirmado no número de besteiro existentes no Algarve, em linha com o que se passa em espaços pujantes demograficamente como Castro Marim, Albufeira e Aljezur.
 

Festa "Chapéus há Muitos!" SerCascais no FIZZ

21.03.16, cascalenses

 

Uma festa mítica e uma noite muito especial em Cascais. Organizada por Isabel Magalhães, Pedro Rocha dos Santos e João Aníbal Henriques, do Movimento Independente SerCascais, a festa "Chapéus há Muitos!" aconteceu no FIZZ, na Praia de Carcavelos e contou com a presença de 3 centenas de Cascalenses MUITO animados!
 
 
Isabel Magalhães
 
 
 
Pedro Rocha dos Santos e Filomena Gonçalves
 
 
Anabela Gonçalves
 
 
Anabela Azevedo Rua e Manuel Rua
 
 
Filomena Ramilo
 
 
Pedro Rocha dos Santos
 
 
Elsa Henriques, Filipa Ferreira e Anabela Gonçalves
 
 
Hanna Perez, João Ahrens Teixeira e Isabel Magalhães
 
 
António Cabral de Magalhães, Ana Santa Cruz e Rita Freudenthal
 
 
Rita Freudenthal, João Aníbal Henriques e Filipa Ferreira
 
 
Pedro Rocha dos Santos e António Teixeira Lopes
 
 
António Cortez e Celeste Cortez
 
 
Mónica Amante Pereira, Elsa Henriques, Cláudia Veloso, Alexandra Paulo e Eduarda Martins
 
 
Rusa Hespanha e Pedro Santos Paulo
 
 
 
Filomena Ramilo
 
 
António Cabral de Magalhães
 
 
Margarida Rufino
 
 
Pedro Santos Paulo e Alexandra Paulo
 
 
Sofia Cunha Alves
 
 
 
 
Filomena Gonçalves
 
 
 
Pedro Rocha dos Santos e Pedro Santos Paulo
 
 
Mónica Amante Pereira e Cláudia Veloso Parrinha
 
 
 
Gil Cruz
 
 
Filipa Ferreira
 
 
Pedro Rocha dos Santos e Rita Freudenthal
 
 
João Aníbal Henriques, Pedro Rocha dos Santos, Hélder Pereira, Mónica Amante Pereira, Pedro Santos Paulo e Alexandra Paulo
 
 
 
Pedro Santos Paulo
 
 
Anabela Azevedo Rua e Manuel Rua
 
 
 
 
Betty Rodriguez
 
 
 
 
Alexandra Paulo, Cláudia Veloso e Mónica Amante Pereira
 
 
 
Mónica Amante e Pereira e Eduarda Martins
 
 
 
Alexandra Paulo, Elsa Henriques, Mónica Amante Pereira, Filipa Ferreira, Hélder Pereira e Cláudia Veloso Parrinha
 
 
Mónica Amante Pereira, Elsa Henriques, Cláudia Veloso Parrinha, Alexandra Paulo e Eduarda Martins
 
 
 
 
Maurício Chumbo e Fátima Chumbo
 
 
Pedro Santos Paulo
 
 
Pedro Rocha dos Santos, Mónica Amante Pereira, João Aníbal Henriques e Alexandra Paulo
 
 
 
 
 
 
 
Manuel Rua
 
 
Mónica Amante Pereira, Cláudia Veloso Parrinha, Eduarda Martins e Alexandra Paulo
 
 
Elsa Henriques e Filipa Ferreira
 
 
Celeste Cortez
 
 
Pedro Rocha dos Santos e João Aníbal Henriques
 
 
Filipa Ferreira
 
 
 
Anabela Azevedo Rua e Manuel ua
 
 
Pedro Rocha dos Santos e Pedro Santos Paulo
 
 
 
Mónica Amante Pereira
 
 
 
 
Hanna Perez, João Ahrens Teixeira e Isabel Magalhães
 
 
Alexandra Paulo e Mónica Amante Pereira
 
 
Pedro Santos Paulo
 
 
Isabel Magalhães
 
 
Gil Cruz
 
 
 
Cláudia Veloso Parrinha e Eduarda Martins
 
 
 
 
 
Pedro Santos Paulo
 
 
 
Rita Freudenthal, João Aníbal Henriques e Filipa Ferreira
 
 
Elsa Henriques e Filipa Ferreira
 
 
 
Mónica Amante Pereira, Cláudia Veloso Parrinha, Eduarda Martins e Alexandra Paulo
 

O Triste Caso da Capela de São Sebastião em Cascais

16.03.16, cascalenses

IMG_9142.JPG

 

No Outono passado a Capela de São Sebastião, situada no Parque do Gandarinha junto à entrada do Museu dos Condes de Castro Guimarães, foi bastante danificada por um temporal. O seu alpendre, o adro e o cruzeiro fronteiro à mesma, foram destruídos pela intempérie e a edilidade fechou o espaço para prevenir eventuais danos para os visitantes.

 

Passaram-se até agora muitas semanas desde aquele triste acontecimento e a dita capela, monumento importante da memória patrimonial de Cascais, continua no mesmo estado de ruína. Pela sua frente passam diariamente centenas de passeantes e turistas, não só aqueles que vão visitar o museu, como também todos os que atravessam o parque a partir da entrada da marina.

 

Com um clima de feira permanente instalado em Cascais, em que se montam-desmontam-e-voltam-a-montar barracas que enchem os mis emblemáticos recantos da vila, a Câmara Municipal de Cascais ainda não teve tempo nem vontade para arranjar os estragos na capela.

 

É indecente.