Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cascalenses

cascalenses

Cascais Está à Venda! - Revista Fundação Cascais - Setembro de 2001

23.06.16, João Aníbal Henriques

Corria o mês de Setembro de 2001, com as eleições autárquicas quase a chegar, quando o Concelho de Cascais acordou completamente coberto de tabuletas anunciando a venda de propriedades. Eram várias centenas, espalhadas sobretudo pela zona interior do território municipal e resultavam da utilização de um aparentemente insignificante artigo no PDM (Plano Director Municipal) dessa época para proceder à legalização rápida das centenas de loteamentos clandestinos que proliferavam nesta terra. A Fundação Cascais realizou um trabalho de fundo sobre a matéria e concluiu que cerca e 1/3 do território concelhio ficava em causa com este procedimento. E que a negociata fez prosperar muita gente...

 

Neste número desta revista histórica, uma crónica da autoria do saudoso António de Brito intitulada "Pelas Ruas da Amargura" faz um périplo pelas ruas e ruelas da Vila de Cascais. Há 15 anos, os problemas detectados eram basicamente aqueles que hoje afectam os Cacalenses. 

 

Ainda uma nota especial para as "Figuras de Cascais", neste número homenageando o Comendador Joaquim Baraona, e para o artigo de reportagem sobre o estado deplorável em que se encontrava o Palácio Real da Cidadela de Cascais. Esta foi, felizmente, uma batalha que a Fundação Cascais venceu.

 

E ainda a recuperação da memória de Cascais através de uma peça sobre a "Pastelaria Bijou" e o trabalho desvenvolvido pelo seu proprietário, Pedro Canelas, em defesa do comércio tradicional Cascalense. 

 

Vale a pena voltar a ler!

 

As Cambalhotas de Cascais - Revista Fundação Cascais - Julho de 2001...

21.06.16, João Aníbal Henriques

Cascais está a tornar-se numa espécie de reino da acrobacia. Os contorcionismos políticos, acompanhando as vicissitudes do calendário eleitoral, vão obrigando os nossos governantes a defender acerrimamente posições que algum tempo antes criticaram de forma aguerrida e vice-versa. Ninguém percebe nada nem nada é realmente aquilo que parece. Conheça os meandros das estórias da história política recente do Concelho de Cascais, onde as personagens, alterando o enredo e assumindo personalidades diversas, se vão envolvendo na pesada teia dos interesses e das necessidades imediatas do sistema. Cambalhotas abissais, dadas por pessoas que deveriam defender os interesses de Cascais e dos Cascalenses, que vão defraudando paulatinamente os valores paisagísticos, ambientais e culturais que deveriam gerir. Cascais está a mudar e a irresponsabilidade impera!” Na Revista Fundação Cascais de Julho de 2001. Passaram-se 15 anos mas poderia ter sido escrito hoje. Infelizmente!