Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cascalenses

cascalenses

São Lázaro e a Gafaria de São Pedro de Penaferrim em Sintra

22.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Lázaro, o personagem bíblico irmão de Marta e de Maria e que era amigo pessoal de Jesus, é uma das figuras cujo significado transcende largamente a sua história, carregando consigo o peso de representar a humanidade como um todo.
 
O seu nome, oriundo de uma antiga expressão grega cujo significado literal é “aquele a quem Deus ajudou”, conjuga-se com a excepcionalidade do que lhe aconteceu durante o processo de convivência íntima com o Deus Encarnado, na sua entrega total ao projecto de recuperar os homens dos seus pecados maiores. Tendo morrido de forma repentina antes de o amigo Jesus ter conseguido chegar a sua casa, na antiga aldeia da Betânia, Lázaro foi ressuscitado dos mortos pela intervenção directa do Filho de Deus, num acto que simboliza o poder maior e total que a expressão física da divindade possui sobre toda a matéria.
 
O homem Lázaro, perdido pela sua condição perante as leis da natureza e do homem, ultrapassa a corrupção da própria carne por ordem do Senhor. E o milagre maior, cujo sustentáculo se apropria da própria expressividade absoluta da Fé, conjuga-se no presente, não adiando para um tempo em que já não existirá tempo a resolução do problema que nos afecta actualmente.
 
É costume dizer-se que tudo tem solução excepto a morte. Mas Lázaro, do fundo da sua tumba e perante as testemunhas concretas que assistiram a toda a cena, comprova que nem a morte supera a força absoluta de Deus, oferecendo assim a toda a humanidade que sofre um testemunho pessoal e sentido de que é possível ultrapassar todos os percalços que  vida nos trás.
 
 
 
 
É certamente este o significado mais profundo que surge por detrás da construção da pequena Capela de São Lázaro, situada naquela que foi a antiga gafaria de São Pedro de Penaferrim, em Sintra. Sem se conhecer em concreto a data da sua fundação, mas que certamente precede o início da própria Idade Média, a gafaria de Sintra foi um dos mais importantes guethos para colocação de leprosos na Região de Lisboa, tendo acolhido milhares de doentes durante os seus muitos séculos de existência.
 
Perfeitamente circunscritos dentro da área protegida da gafaria, os doentes estavam proibidos de contactar o resto da população, vivendo em exclusão social até ao final dos seus tempos. Em Sintra, tal como acontecia com outras gafarias noutras zonas do País, os gafos podiam receber autorização para sair do espaço de retenção e para vaguear, quase sempre para irem pedir ajuda às casas mais ricas da região, desde que utilizassem um sino que os identificava como doentes permitindo ao resto da população evitar o contacto e o contágio da doença.
 
Em São Pedro de Sintra restam muito poucos vestígios da antiga gafaria que teria ocupado o espaço central da população actua, mas escavações realizadas recentemente no local, permitiram encontrar sepulturas na zona do actual terreiro da feira, o que ajuda a perceber que a zona residencial, o espaço de culto e o cemitério anexo se circunscreviam a uma zona muito restrita nas imediações da actual capela.
 
 
 
 
De planta muito simples e com uma espacialidade absorvida em absoluto pela sua única nave aberta para o adro que estava virado a Norte, ao contrário do que acontecia com outro tipo de espaços de culto de índole diversa, a Capela de São Lázaro actual será provavelmente do Século XVI, quando a Rainha Dona Leonor ali terá mandado efectuar uma campanha de obras com vista à sua renovação. São dessa época o escudo de Dona Leonor que encima a sua fachada e os bocetes que fecham a abóboda do Altar. Sabe-se, no entanto, que quando se procedeu a esta campanha de obras a capela já existiria e o Visconde de Juromenha, num dos seus trabalhos sobre Sintra, conclui que em 1409 “já excedia a memória dos homens a fundação desta gafaria”.
 
Sendo um exemplar único daquilo que foi o complexo social de São Pedro de Sintra, e ilustração privilegiada da preocupação e cuidados que a lepra lançou sobre Portugal, a Capela de São Lázaro de Sintra é um monumento de primeira importância na definição da memória histórica sintrense.
 
 
 
 
A ligação ao imaginário simbólico do Santo, partilhando com os viventes as agruras de uma existência sem esperança e um futuro muito incerto, conjuga-se neste recanto de forma excelente. Os antigos gafos sintrenses, de corpo corrompido pela doença e de Alma certamente acabrunhada pelo abandono social a que eram devotados, encontravam neste espaço de culto e na presença espiritual de São Lázaro, uma ponte emocional com a existência plena que auguravam alcançar quando chegassem ao céu. A capela de São Lázaro é assim, ao mesmo tempo, um espaço de culto e um portal que ajudava a ultrapassar as vicissitudes impostas pelo tempo.
 
Integrada no reduto manuelino e proto-medieval de São Pedro de Sintra, merece não só uma visita demorada como sobretudo um estudo mais aprofundado que permita estabelecer com rigor a dinâmica que determinou o devir histórico deste estranho e importante recanto da região.

 

Armando Vilar – A Força e a Determinação dos Grandes Cascalenses

21.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Cascais sempre foi uma terra especial e diferente. O seu charme resulta da sua inesquecível paisagem e dos extraordinários recantos que tem, mas também do carácter extraordinário das suas gentes. Mas esta diferença, visível nos grandes e nos pequenos acontecimentos que compõem o devir quotidiano da vila e do concelho, assenta na força, na determinação, na coragem e num amor inequívoco por Cascais por parte de alguns munícipes diferentes.
 
Desde 1364, quando Dom Pedro I a libertou do jugo administrativo de Sintra, que Cascais foi tendo figuras ímpares que, por amor a esta Nossa Terra, se entregaram totalmente à defesa das suas gentes. Alguns eram ricos, outros nem tanto; alguns eram politicamente poderosos, outros eram a antítese disso; alguns possuíam apelidos importantes, outros construíram-nos nestas terras; mas há algo que os define a todos de forma abrangente: a devoção por Cascais e pelos interesses dos Cascalenses.
 
Neste início de mais um Inverno, quando os dias de Natal já estão tão perto, dedicamos a nossa homenagem especial a um dos maiores Cascalenses de sempre. Armando Penin Gomes Vilar, nascido em Cascais em 1889, foi durante muitas décadas a pedra angular sobre a qual se construiu o Cascais em que vivemos.
 
Neto de João Gomes Vilar, o proprietário da conhecida Escola do Arco, que se situava na rua que acedia à Praia da Ribeira através de um arco ali existente, Armando Vila fez parte de uma as mais marcantes gerações de Cascalenses. Do seu grupo de colegas que frequentavam a escola do avô, faziam parte João de Avelar Lopes, que mais tarde fundaria o Registo Civil, Guilherme Cardim, fundador da tipografia com o mesmo nome que durante muitas décadas imprimiu quase tudo o que se produzia nesta terra, e Joaquim Nunes Ereira, fundador do Casino Estoril.
 
Foi aliás este último, que explorava uma casa de jogo situada junto ao mercado velho, quem desafiou Armando Vilar para uma sociedade que haveria de mudar radicalmente a face do velho burgo Cascalense. Depois de lhe ouvir contar os problemas que estava a ter na Câmara Municipal onde trabalhava como amanuense, Nunes Ereira propõe-lhe a criação de uma sociedade com o objectivo de explorarem o jogo nos casinos existentes no Monte Estoril. Juntamente com Guilherme Cardim, Joaquim Ereira e João Aranha, Armando Vilar reorganiza então o jogo no Casino Português, no Casino Internacional do Monte e, mais tarde, depois de arrendarem a Fausto Figueiredo o direito à exploração do jogo no Estoril, no primeiro casino construído no Parque Estoril.
 
A Sociedade Estoril Plage, ainda hoje existente e primeiro motor da actual Marina de Cascais, do Golfe do Estoril, das Termas do Estoril e de vários dos mais emblemáticos hotéis da região, nascia assim dando corpo ao desenvolvimento da marca internacional ‘Estoril’ e com ela ao nascimento da vocação turística municipal de Cascais.
 
Tendo sido dinamizador do Casino Estoril, Vilar foi um dos mais activos dirigentes da Junta de Turismo do Estoril, na qual, com Abreu Nunes, deu forma a várias décadas de propaganda que levaram a todo o Mundo o prestígio do Estoril e cujo sucesso marcou definitivamente o assumir de Cascais como principal gerador do turismo Português. Nesse âmbito, foi também fundador e Presidente da Sociedade Propaganda de Cascais, do Clube Naval de Cascais e de muitas outras instituições da sociedade civil.
 
 
 
 
Mas não foi só no jogo que Armando Vilar contribuiu para a construção da Nossa Terra. Depois de ter adquirido a Quinta das Patinhas e uma parte substancial dos terrenos situados no Vale da Ribeira das Vinhas, Armando Vilar recentrou as suas atenções no apoio aos mais desprotegidos e a todos os desfavorecidos pela sorte que abundavam nesta terra.
 
Conselheiro Municipal durante muitos anos, intervindo directamente na política de requalificação da habitação dos mais humildes cascalenses, foi um dos impulsionadores do movimento que levou à construção dos primeiros bairros sociais de Cascais que, com mote bem diferente do que hoje temos, pretendiam assegurar condições de vida condignas a todos os munícipes através de campanhas de sensibilização e recolha de fundos que envolviam todos os Cascalenses.
 
Na sua faceta social, foi um dos mais marcantes provedores da Santa Casa da Misericórdia de Cascais, onde durante mais de duas décadas tudo fez para dotar a vila de toda a espécie de equipamentos. Foi a sua entrega à defesa intransigente de Cascais que permitiu a construção da Praça de Touros, do Hospital dos Condes de Castro Guimarães, e de muitas escolas, creches e equipamentos de apoio aos mais desfavorecidos que literalmente mudaram a face do Cascais do seu tempo.
 
Quando faleceu em 1989, já com cem anos feitos, Armando Vilar era ainda um dos mais activos defensores da Nossa Terra. Garboso no seu porte de grande senhor de Cascais, continuava a intervir amiúde na defesa dos interesses das suas gentes, mantendo a coragem e a força que tinha utilizado quando tinha vinte anos para orientar esta terra.
 
Armando Penin Gomes Vilar deixou-nos há já 27 anos mas, em cada canto e recanto de Cascais subsistem as memórias extraordinárias de quem ele foi e daquilo que fez. Apesar de ter sido agraciado com várias distinções importantes, como a Comenda da Benemerência, o grau de Oficial da Ordem de Cristo, a Medalha de Dedicação da Cruz Vermelha Portuguesa ou a Comenda de Mérito Civil de Espanha, importa relembrar às gerações vindouras a importância que teve na definição da Memória Colectiva e da Identidade Municipal dos Cascalenses.
 
No seu inultrapassável “Cascais Menino”, Pedro Falcão referia-se a Armando Vilar dizendo que “era de gente desta que nós precisávamos para orientar e defender a Nossa Terra…
 
E tinha razão. Cada vez mais à medida em que os anos vão passando.
 
A bem de Cascais!
 

A Capela de Murches na Lenda de Santa Iria

16.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Sendo certa que é ancestral a origem do culto devocional a Santa Iria, também conhecida como Santa Irene, na localidade de Murches, em Cascais, não se conhecem com exactidão os seus primeiros passos. Sabe-se, no entanto, que o culto se estende ao período pré-Cristão, profundamente marcado pelo devir agrícola e pastoril das comunidades antigas que viveram no actual território Cascalense, e paulatinamente adaptado às circunstâncias e à passagem do tempo.
 
A actual Capela de Murches, com o seu estilo chão e inserida na tipologia própria das construções de génese rural, será provavelmente do Século XVI ou XVII, tendo sofrido alterações menores a partir de meados do século seguinte. Mas, apesar disso, e tal como acontece com todos os pontos axiais da religiosidade municipal de Cascais, terá provavelmente reaproveitado o local sagrado onde foi construída, ocupando o espaço onde teria existido um templo anterior. Ainda é possível ver, no remate da fachada Norte do edifício actual, os vestígios desses reaproveitamentos e, embora sem a monumentalidade que a ruralidade local impede, serão resultado do isolamento em que Murches, desde tempos remotos, sempre sentiu em relação à sede e ao litoral do Concelho.
 
É, no entanto, a ruralidade agro-pastoril das terras de Murches, que marca de forma indelével a evolução social nesta localidade e a devoção religiosa das suas gentes a Santa Iria. A dependência dos ciclos da natureza, complementada com a pobreza dos solos e uma existência de base pastoril na qual a transumância assume especial importância, determinaram a ligação à Santa de Tomar, que protege o gado, garante os mananciais de água e defende aqueles que dependem dela.
 
 
 
 
De acordo com a lenda, Santa Iria terá nascido em Tomar, algures em tempo indeterminado, filha de um casal nobre da antiga Nabância. Com um rosto maravilhoso e uma beleza verdadeiramente incandescente, Iria desde cedo foi assediada por toda a espécie de homens da região, a todos tendo resistido estoicamente com a mesma perseverança. Questionada por seus pais acerca de quem iria escolher, a jovem responde que é sua intenção entregar-se totalmente a Deus e fazer votos num mosteiro ali existente, virando definitivamente as costas ao Mundo e às suas gentes. Mesmo duvidando das suas palavras, os pais da menina fizeram-na entrar no mosteiro de monjas beneditinas existe em Sélium, onde se cumpriu a sua suprema vontade.
 
Mas o Mundo, que Iria quis esquecer durante os dias e noites de mortificação passadas dentro das paredes frias do mosteiro, nunca esqueceu a beleza extraordinária da rapariga e, apesar dos seus votos, foram muitos os que continuaram a tentar conquistá-la, mesmo se para isso tivessem de assaltar o espaço e deturpar o odor de santidade que se sentia lá dentro.
 
O mais assíduo dos seus apaixonados terá sido um tal Britaldo, galante senhor da região de Tomar, que tudo terá feito para seduzir a jovem monja. Ela, no entanto, nunca cedeu à tentação e, reforçando a sua Fé, foi sempre afastando este e outros admiradores que permanentemente cercavam o mosteiro.
Farto de tanto assédio, e certo de que a paz interna só seria reposta com a saída da rapariga, o Monge Remígio, Director Espiritual de Iria, deu-lhe a beber um medicamento preparado com ervas que tinha como objectivo fazer-lhe inchar a barriga e, dessa maneira, criar o pretexto para a sua expulsão do mosteiro. E assim aconteceu. Iria adoeceu gravemente e, apesar da sua inocência, foi deitada porta fora e sujeita às inclemências do tempo e da natureza e, mais importante ainda, às investidas maldosas de todos aqueles que desejavam desposá-la a ela.
 
 
 
 
O nobre Britaldo, quando soube da expulsão de Iria e do seu estado de gravidez, não acreditou na sua inocência e, despeitado por ter sido preterido perante outro qualquer pretendente, mandou assassina-la e atirar o seu corpo às águas do Rio Nabão.
 
Muitos séculos depois, durante o reinado de Dom Dinis, terá sido a Rainha Santa Isabel, a alquimista, quem encontrou os restos mortais da pobre mártir nabantina. O corpo da menina, tendo sido transportado pela corrente até ao Rio Zêzere, e dali até ao grosso causal do Rio Tejo, foi encontrado pela Rainha Santa durante uma das suas estadias no Ribatejo.  E, para sua surpresa e gáudio de todos, o corpo de Santa Iria estava totalmente incorrupto, preservado pelas areias do rio e pela vontade de Deus. O local onde o corpo foi encontrado passou a chamar-se Santa Iria e a grande cidade que existia nas redondezas tomou o nome de Santarém (corruptela de Santa Iria – ou Santa Irene).
 
 
 
 
Profundamente ligada aos cultos pagãos da água e da fertilidade a ela associada, Santa Iria transforma-se na figura angular sobre a qual se procede à cristianização de grande parte das mais importantes zonas do actual território Português. Nabanus, a divindade pagã que dá nome à Nabância onde a santa nasceu, relaciona-se precisamente com o poder regenerador das águas e com a sua ligação espiritual à purificação da humanidade, factor que rapidamente se estende, por intervenção directa da Rainha Alquimista de Portugal, a outras zonas do País. Em Fátima, por exemplo, o local onde Nossa Senhora apareceu em 1917 chama-se Cova da Iria e, em Cascais, é nas margens da Ribeira da Marmeleira, principal veio de água que desce da Serra da Lua – Cynthia - para saciar Cascais, que a dita capela com dedicatória à santa acaba por ser erguida.
 
Santa Iria de Murches, a divindade antiquíssima cuja intercessão garante água e fertilidade aos Cascalenses, é assim motivação maior para uma visita a um dos recantos mais encantados do Concelho de Cascais, num preito de homenagem a uma Identidade cujas origens se perdem nas brumas do tempo.
 

O Forte de São Pedro da Poça no Estoril

15.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Tal como acontece com os restantes fortes e fortificações construídos na linha defensiva da Costa do Estoril, o Forte de São Pedro da Poça, situado a Poente do Vale da Poça, junto ao edifício dos antigos banhos, apresenta uma localização privilegiada num ponto no qual a importância estratégica no cruzamento de fogo com os seus congéneres se alia a uma paisagem profundamente impactante e deslumbrante.
 
E, infelizmente, tal como acontece com os restantes, encontra-se num estado de ruína inaceitável, com a sua importância patrimonial posta em causa pela incúria das entidades ditas competentes.
 
 
 
 
Construído depois da Restauração da Independência Nacional em 1640, numa estratégia de refortificação da entrada marítima de Lisboa, o Forte de São Pedro foi projectado pelo Arquitecto Mateus do Couto, utilizando como planta o desenho geral utilizado noutras fortificações de características semelhantes. As obras, que decorreram entre o dia 5 de Abril de 1642 e o início de 1643, compuseram o espaço a partir do estabelecimento de uma cortina de artilharia que atravessava a praia e estabelecia a protecção cruzada necessária perante qualquer desembarque tentado pelas forças Espanholas em terras de Portugal.
 
O pátio central, que distribuía o espaço interno de forma muito simples, cumpria a dupla função de facilitar o acesso às diversas frentes do forte, ao mesmo tempo que assumia a sua componente residencial, oferecendo um espaço ao ar livre para usufruto de quem ali morava.
 
 
 
 
Depois de vários períodos de semi-abandono, que exigiam novas obras de remodelação, o forte atingiu uma situação de pré-ruína em meados do Século XIX. Mas, durante a Guerra Civil, readquiriu uma parte da sua importância estratégica e, nesse âmbito, foi novamente remodelado de forma a adaptar-se às modernas técnicas militares desse tempo. É desse período, numa obra que muitos consideram nunca ter sido acabada, o paiol que se localizava no piso subterrâneo e a linha de fuzilaria que ligava o forte ao seu congénere da Cadaveira, do outro lado da praia.
 
Depois de vicissitudes diversas, que passam pela sua entrega à Santa Casa da Misericórdia e o seu posterior arrendamento à sociedade que explorava os Banhos da Poça, foi o forte transformado em casa de chá, já em 1954, por iniciativa da Junta de Turismo de Cascais e, mais tarde, na primeira discoteca Portuguesa.
 
 
 
 
Congregando em torno da sua imagem, um dos recantos oníricos dos Estoris, que para ali convergiram de forma massiva durante os agitados anos 60 do Século XX, o Forte de São Pedro foi paulatinamente perdendo as suas características militares de que agora só restam as suas duas guaritas. Na fachada virada a nascente, completamente desvirtuada pela intervenção de adaptação às funções turísticas atrás mencionadas, a bateria que cobria a praia foi substituída por uma inestética parede de vidro que se encontra actualmente emparedada e totalmente destruída por actos de vandalismo. Aberto o interior, está também ele em avançado estado de degradação, sendo virtualmente impossível perceber se existe alguma possibilidade de ser recuperado na sua formulação espacial original.
 
O Forte de São Pedro da Poça, no Estoril, situa-se no coração da mais antiga e pujante região de turismo de Portugal. A evidência da sua localização, perto a praia, do paredão e da entrada nobre do Estoril, faz convergir na sua direcção o olhar de todos aqueles que por ali passeiam e, mais grave ainda, o dos milhares de turistas que procuram na Região do Estoril o charme de outros tempos.
 

 

Classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1977, o seu abandono e estado de ruína eminente é, em termos da memória de Cascais e da Identidade Municipal dos Cascalenses, um autêntico crime que lesa os interesses deste concelho. Inadmissível nos tempos em que vivemos!
 
 
 

O Paço de Monte Real e a Intervenção Alquímica dos Reis de Portugal

14.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
A união matrimonial entre o Rei Dom Dinis de Portugal e a Rainha Santa Isabel de Aragão, configura um dos mais emblemáticos e enigmáticos momentos da História de Portugal. Os cônjuges, ambos predestinados para os desafios do espírito e para o cumprimento na Terra da vontade do Altíssimo, concretizam a sua vida cada um à sua maneira mas, por intervenção do próprio destino, complementando-se numa amálgama de sucesso que haveria de mudar a vida de Portugal.
 
O Rei poeta e artista, fadado para um destino enorme assim que o seu pai começou a sofrer os primeiros padecimentos da doença que o havia de matar, assumia em si próprio a dupla função de governante e de alquimista, contribuindo de forma decisiva para a concretização em Portugal de grande parte das mais influentes correntes de pensamento que existiam no Mundo de então.
 
Os Cavaleiros Templários, Ordem Religiosa mítica que havia sido determinante no processo das Cruzadas e na recuperação do saber primordial Cristão que estava guardado de olhares impuros na Cidade de Jerusalém, foram extintos por ordem papal em 1312. Dom Dinis, do alto da pequenez do seu aparentemente minúsculo País, consegue transmutá-los numa ordem diferente, salvando os seus bens materiais e o tesouro maior que consigo carregavam ao longo dos eras e dos tempos.
 
 
 
 
E foi Dom Dinis, plantador das naus que hão-de levar os Portugueses a dar novos mundos ao Mundo, quem recriou em Portugal a universidade, assumindo a sua costela trovadoresca que transforma emoções de alma em pão e novo sangue.
 
A Rainha Santa Isabel, por seu turno, transforma também ela a matéria. As rosas, símbolo alquímico da cruz viva e em permanente movimento, transformam-se em pão, mantendo na carne o odor radioso de alguém que vive lá em cima…
 
Da união dos dois, em rios que permanentemente transbordam deixando marcas em ambas as margens, nasce então a cabeça do Império Português, misto de fénix e serpente que define os ciclos diferentes e um país tão especial quanto este.
 
 
 
 
Dom Dinis e Santa Isabel, unidos amiúde no caldeirão alquímico das nascentes sagradas que existiam junto a Leiria, ocupam num monte distante o espaço que há-de transformar-se no mais singular dos Paços Reais de Portugal. Ali, na encosta subliminar do Ulmar que permite deslumbrar as vistas com o Vale do Liz, rio e pureza simultaneamente, dão nome a uma nova terra que se manterá incólume na História de Portugal: Monte Real.
 
O Paço de Monte Real, acanhado nas dimensões que sobreviveram mas enorme no espaço que se gerou da união simbólica e concreta entre o Rei Pensador e a Rainha Santa, é hoje uma sombra do que foi, mas assume-se como testemunho inultrapassável daquela que foi a história maior de todas aquelas que ajudaram a construir Portugal.
 
Tenha sido a reconstrução de um castro pré-histórico que já ali estava quando o Rei chegou, como defende João de Almeida, ou um paço singelo construído de raiz para acompanhar a plantação do Pinhal de Leiria e para a Rainha poder usufruir das águas milagrosas que nasciam no local, o certo é que o Paço de Monte Real é a marca perene da capacidade empreendedora de um dos reis maiores da história nacional.
 
 
 
 
Do Paço de Monte Real, terá Dom Dinis antevisto o Portugal que hoje temos. Só assim se explica, como Pessoa bem refere, a intervenção da Coroa na defesa e adaptação dos antigos Templários que no nosso País renascem, como a fénix das cinzas, como a Ordem de Cristo. E qual é o símbolo maior dessa ordem nova que nos espreita do alto da sua vetusta idade? A cruz de Cristo, ou melhor, a Rosa Vermelha que a Rainha Santa Isabel carregava ao peito.
 
Coincidências ou não, certo será que a intervenção deste casal real abriu portas ao Mundo Novo e que tudo isso aconteceu no Paço de Monte Real. É obrigatória uma visita demorada, antevendo nas inexistências toda a importância que teve e tem. É essencial que este espaço assuma o lugar de destaque que deve ter na definição maior da Identidade Nacional. 

A Rainha Dona Filipa de Lencastre e o Palácio de Sintra

14.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Casada com o Rei Dom João I, lendário Mestre de Avis e fundador da segunda dinastia Real Portuguesa, a Rainha Don Filipa de Lencastre, de ascendência inglesa e chegada a Portugal em 1387, foi uma das mais importantes e marcantes figuras da História deste país.
 
A fama de santidade que a rodeia, ligad à reconhecida castidade que se associava a uma cultura fora do normal, ficou aquém do maior dos feitos que em território Nacional deixou como legado. Os seus filhos, que Pessoa eternizou como a “Ínclita Geração”, foram a sua obra maior, num País onde as marcas da Idade Média eram ainda nessa época muito importantes e no qual a educação e o requinte eram matéria sobejamente desconhecida das elites reinantes.
 
 
 
 
Os conhecimentos de línguas estrangeiras que possuía, bem como a capacidade de compreender um Mundo que bem conhecia, dotaram-na do espírito necessário para empreender a autêntica revolução modernizadora que deu forma ao novo Portugal. Descendente da Casa Real dos Plantagenetas, de quem as más-línguas da sua época diziam que herdara uma dureza na sua relação com os outros, Filipa trazia consigo os traços fisionómicos da sua família, marcando pela diferença a sua presença no país que a acolheu. Loira e de olhos azuis, com a pele clara que a falta de Sol característica da Britânia sempre confere, deixou essas características na face dos seus filhos e netos, os quais foram sempre marcadamente o resultado do seu enorme carisma e da sua musculada forma de viver.
 
Em Sintra, onde viveu muito tempo e onde literalmente se apaixonou por Portugal, encontra-se hoje o maior dos monumentos que atestam a sua memória. O Palácio Real da Vila, com as suas icónicas chaminés altivas, numa sobranceria que se impõe na paisagem e até na definição daquilo que há-de ser a identidade onírica da vila, foi quase todo obra sua, uma vez que foram de sua autoria as enormes obras de remodelação que ali se empreenderam durante o Reinado de Dom João I.
 
 
 
 
Simbolicamente associada à Rosa Encarnada, simultaneamente representando as suas origens plantagenetas e o seu cunho de rainha alquimista que transforma um País em linha com as suas principais crenças e convicções, Dona Filipa de Lencastre foi sempre, durante todo o seu casamento, a pedra angular que definiu a conduta do seu marido e, depois da sua morte, a dos seus filhos durante o processo magistral dos descobrimentos. A rosa, verdadeiramente flor que significa a pureza virginal e o esplendor máximo da Obra Divina na Terra e também a verdadeira cruz, carrega consigo a chave que permite compreender a sua mítica capacidade para recriar pontes entre a vivência tradicional Portuguesa e a distante e diferente Inglaterra. A sua cruz, distinta da Cruz Romana que o Catolicismo tradicional Português até aí consagrava como expoente máximo dos seus laivos de Fé, ganha vida e movimento ao ser plasmada na rosa que a rainha transporta a peito. Torna-se vida, fomentando a dinâmica do movimento, trazendo assim uma mensagem diferente ao povo Português, cujo cerne mais profundo, justamente encoberto pelo segredo do conhecimento verdadeiro, foi conhecido e compreendido por Fernando Pessoa que o integrou na sua mais grandiosa obra sobre os feitos do génio Português.
 
 
 
 
Na hora da morte, que aconteceu em Odivelas em plena campanha de conquista de Ceuta pelos seus filhos, acontecimento que há-de ser o mais marcante de todos os que definem a História Portuguesa por ter representado o arranque do movimento das descobertas marítimas, diz a lenda que foi dando conta de forma consciente de todos os passos pelos quais ia passando. Depois de receber os derradeiros sacramentos, que marcavam o início do processo de desligamento da vida material, a rainha ainda teve ensejo para saber dos avanços do exército dos seus filhos no Norte de África, e de ouvir uma última vez os cânticos sagrados do corpo eclesiástico que sempre a acompanhava.
 
Depois do seu passamento foi enterrada no Mosteiro de Odivelas, de onde foi posteriormente transladada para o Panteão Real construído por Dom João I no Mosteiro da Batalha.
 

Carlos e Diana em Sintra numa Homenagem à Rainha Filipa de Lencastre

14.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
Numa iniciativa da British Historical Society of Portugal, Suas Altezas Reais os Príncipes de Gales, Carlos e Diana, estiveram em Portugal em Fevereiro de 1987 para homenagear a sua conterrânea a Rainha Dona Filipa de Lencastre, mulher de Dom João I. A colocação numa das paredes do Palácio Real de Sintra de uma lápide e de um alto-relevo com o busto da rainha, representou o ponto mais significante do vasto programa de comemorações do 600º aniversário do casamento Real, que celebrou também a mais antiga aliança internacional celebrada por Portugal. Dona Filipa de Lencastre, para além de mãe da Ínclita Geração que deu novos mundos ao Mundo, foi também uma apaixonada por Sintra e pelo seu palácio, no qual viveu durante longas temporadas e cujas obras de reconstrução foram por si supervisionadas directamente.  
 
 
 
 
 

A Casa Sommer em Cascais

12.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
 
Parte integrante do imaginário urbano da Vila de Cascais, a Casa Sommer, no espaço da antiga Parada, é uma das peças mais importantes e significativas do património cascalense. Em estado avançado de degradação há demasiados anos, foi adquirida pela Autarquia e adaptada para instalar o Arquivo Histórico Municipal. Na sua futura função de guardiã das memórias municipais, mas também enquanto elemento singular na definição da Identidade Cascalense, a Casa Sommer é um excelente exemplo do que pode e deve fazer-se nesta Nossa Terra.
 
 
Romântica pelo seu enquadramento urbanístico nos terrenos fronteiros à antiga Parada de Cascais e neoclássica pela formulação arquitectónica que compõe a sua fachada e estrutura decorativa, a Casa Sommer, em Cascais, é um dos monumentos mais significantes na definição do que foi a Vila no período em que foi edificada.
 
Mandada construir por Henrique de Sommer, algures entre o final do Século XIX e o início do Século XX, o imóvel acompanha em termos estéticos a evolução dos modelos construtivos que caracterizaram a Vila de Cascais durante essa época. Apesar do seu cunho cenográfico, a casa repõe uma linha arquitectónica mais séria e funcional que vai esbatendo progressivamente os cunhos oníricos do romantismo de alguns anos atrás.
 
O apelo aos valores do classicismo, bem visíveis, por exemplo, no pórtico de entrada da moradia, traduz as alterações que estavam a acontecer no paradigma social do Cascais de então. Depois da instalação do Rei Dom Luís e da Corte, em 1870, que trouxe para Cascais aqueles que virão a ser os alicerces de uma nova sociedade em Portugal, as casas e os espaços públicos passam a desempenhar um papel importante enquanto elementos de afirmação e reconhecimento social. Com a chegada do novo século, associado à indefinição política que virá a servir de mote para a posterior implantação da república, cria-se um espaço alternativo no qual se encaixam os valores renovados de uma elite empreendedora para quem o sangue mais não é do que elemento que ajuda a reforçar o seu reconhecimento funcional.
 
O sucesso empresarial de Henrique Sommer, profundamente ligado à indústria do ferro e dos cimentos, enquadra-se já numa nova dinâmica de modernização do País, alheia aos valores antiquados que haviam servido de mola propulsora ao nascimento do Cascais Real. A casa que mandou construir num dos mais nobres locais da vila, cenograficamente impactante, é por isso um misto de testemunho e de prova, sustentando aquele que virá a ser o devir histórico que alterará profundamente a vida de Cascais, abrindo caminho para o despertar dos primeiros movimentos nacionalistas e para o nascimento da posterior vocação turística municipal.
 
A afirmação, num contexto em que a componente familiar assume primordial importância, surge associada de forma muito próxima aos critérios de construção utilizados na época, facto que explica a singularidade deste edifício no contexto patrimonial da vila de Cascais.
 
 
 
 
Numa época em que Cascais assiste impávido à destruição paulatina dos seus principais valores patrimoniais, com a desagregação dos núcleos urbanos identitariamente fundamentais, como é o caso do Monte Estoril e dos principais núcleos rurais que ainda subsistem no território municipal, a recuperação da Casa Sommer é uma excelente notícia que, contrariando a prática em curso, defende a memória local e promove a identidade municipal.
 
Resta esperar que este bom exemplo se transforme no cadinho que dará forma às muitas intervenções que num futuro próximo vão acontecer na Nossa Terra. 

A Areia e a Capela de São Brás em Cascais

09.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Quando em 1997, em pleno processo de preparação do Levantamento Exaustivo do Património Cascalense, publiquei um trabalho sobre a história da ruralidade da Freguesia de Cascais (*), a povoação da Areia era ainda palco privilegiado das ancestrais tradições rurais que deram forma ao município de Cascais.
 
No Largo de São Brás, expressão máxima do sentido comunitário da localidade, congregavam-se os elementos principais de uma existência na qual a ligação aos trabalhos da terra e uma dependência extrema relativamente às agruras da natureza, se revezavam amiúde, representando o principal sustentáculo de um ideário comunitário comum que conduziu à arreigada identidade que a localidade ainda possui.
 
 
 
A Capela de São Brás, o chafariz e o lavadouro comunitário, partilham por ali o coração simbólico da Areia, dando forma a uma existência na qual a singeleza do quotidiano funciona como elemento motivador de uma forma de ser e de estar que fomenta o tecido social do local.
 
 
 
 
A Areia, de cujas origens pouco se conhece, apresenta um topónimo que deriva da proximidade à Praia do Guincho e a estrutura pobre dos seus solos. Mas, é também essa aparente fragilidade natural que, conjugando-se em processos dinâmicos de sobrevivência, vem determinar uma série de práticas que são vincadamente locais e extraordinariamente únicas no contexto da existência rural de Cascais e de Portugal.
 
Do período romano, o povoado dos Casais Velhos, com a milenar fábrica de púrpura e a ligação directa à cabeça do Império, representa a expressão máxima da sua monumentalidade, traduzida em algo que, apesar do abandono a que tem sido devotado ao longo dos últimos anos, é irrepetível e assume laivos de primeira linha no inventário do património Cascalense.
 
Mas a Capela de São Brás, situada em plano coração da Areia, é também ela eixo essencial na estruturação moderna da localidade, representando um papel catalisador no desenvolvimento da estrutura social que há-de definir o devir quotidiano naquele espaço.
 
Sem origem cronológica conhecida, a Capela de São Brás que hoje conhecemos será certamente o resultado de um processo de paulatino desenvolvimento. A sacralidade do local, provavelmente marcado por um antigo templo e/ou ermida que por lá tenha existido, foi necessariamente o ponto de partida de uma expressão cultual que gera em seu torno os elementos necessários à fixação humana. Em 1527, quando se realizou o primeiro recenseamento à população, a Areia tinha somente nove vizinhos, o que corresponde a pouco mais de duas dezenas de pessoas, que entre si partilhavam os parcos recursos que resultavam do trabalho da terra.
 
 
 
 
A pobreza material da população, cessada que estava a exploração riquíssima da produtiva fábrica de púrpura, está bem expressa na formulação urbanística da localidade e, sobretudo, no carácter chão da arquitectura desta sua capela. De traços simples e simbolicamente próxima dos valores muito regulares que sempre caracterizaram a existência local, a Capela de São Brás conjuga em si os principais elementos que nos ajudam a perceber e a conhecer a povoação.
 
A devoção a São Brás, o santo arménio que começa a sua vida adulta como médico e que abandona tudo o que tem e o seu dia-a-dia na cidade depois de ouvir o chamamento de Deus, é também ela ilustrativa do carácter longínquo que a Areia representou durante muitos anos, em linha com a opção do Santo por uma vida de eremita, devotado à interioridade e à oração, em comunhão profunda com a solidão da natureza. A singeleza da história, a mesma que caracteriza a Capela de São Brás e mesmo o devir quotidiano na localidade da Areia, dão nota desse desligar sentido das correntes que nos prendem permanentemente à clausura da materialidade, representando um ímpeto de libertação que é resultado da proximidade a Deus.
 
A Areia, na sua ligação a São Brás, representa assim a profundidade da entrega devocional de Cascais à causa do despojamento material, numa sentida e assumida opção pela simplicidade extrema.
 
As duas devoções que estão nos altares secundários deste templo, entregues a Nossa Senhora de Fátima e ao Sagrado Coração de Jesus, são também elas expressivas deste caminho, denotando uma continuidade na prática devocional que terá obrigatoriamente de assentar numa vivência comunitária solidamente assente num conjunto e valores simbólicos desenvolvidos ao longo de muitos anos.
 
Visitar a Areia e a Capela de São Brás, num exercício de libertação perante a opressão sensível do charme de Cascais e dos Estoris, é assim uma oportunidade para entender a perenidade desta escapatória axial na formulação mais profunda da comunidade e do património Cascalenses.
 
 

 

(*) HENRIQUES, João Aníbal, História Rural Cascalense, Cascais, Junta de Freguesia de Cascais, 1997.

A Lenda da Boca do Inferno

07.12.16, João Aníbal Henriques

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
A dicotomia entre o mal e o bem, num jogo em que as memórias efectivas se misturam amiúde com as entoações próprias dos sonhos, assume especial importância na Boca do Inferno, em Cascais, um recanto encantado no qual se conjuga uma paisagem extraordinária com uma inesquecível história.
 
Diz a lenda que naquelas paragens, num castelo cujas memórias pétreas nunca chegaram a olhos humanos, vivia um gigante maligno que padecia do maior dos males que afectam a humanidade: o amor. Profundamente apaixonado por uma donzela maravilhosa que não o correspondia, resolveu tomar medidas drásticas e consumar o seu amor de forma subliminar. Montado no seu cavalo, atacou o palácio onde a donzela vivia com o seu pai e raptou-a levando-a para o seu castelo de Cascais.
 
 
 
 
A donzela, apaixonada por seu turno por um ilustre cavaleiro que há muito a cortejava, não cedeu às intenções do gigante. E este, para apaziguar o seu ímpeto, fechou-a no alto da maior torre do seu castelo, prendendo-a até que ela se convencesse da necessidade de claudicar ao amor que ele lhe queria dar.
 
Mas o noivo apaixonado, tomado da força que só o amor consegue despoletar, insinuou-se no castelo e conseguiu libertou a sua amada, fugindo dali numa cavalgada desenfreada no seu magnífico cavalo branco que quase parecia voar.
 
 
 
O gigante, quando deu conta da fuga da donzela ficou furioso. Com artes mágicas que só ele conhecia e os ímpetos malignos que a fúria imensa havia despertado, lançou uma praga sobre os fugitivos e sobre eles fez crescer uma enorme tempestade.
 
Apanhados pela intempérie nuns rochedos junto ao mar, o casal de apaixonados tudo fez para conseguir fugir da influência do seu maléfico perseguidor. Mas, provocando um sismo que partiu as arribas e fendeu o chão, o gigante fez abrir sob os seus pés um enorme buraco onde ambos caíram com o seu cavalo e onde desapareceram para sempre sem eixar rasto.
 
Estava aberta a porta para o inferno e esta jamais se voltaria a fechar…

 

 
 

Pág. 1/2