Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Igreja de Santa Maria da Porta em Melgaço

por cascalenses, em 22.02.17

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Dizem que santos de porta não fazem milagres… basicamente porque depois do Concílio de Trento, a disposição das figuras sacras dentro de uma qualquer igreja ou espaço religioso passou a obedecer a regras bem definidas, nas quais a hierarquia celeste ia crescendo na medida em que nos vamos aproximando do Sacrário.
 
 
 
Mas Santa Maria da Porta, orago da principal igreja de Melgaço, no Minho, representa a mais profunda contradição relativamente a este princípio. De facto, assente na profundidade escatológica que acompanhou a formação de Portugal, o orago minhoto integra a generalidade dos arquétipos essenciais que deram corpo à nacionalidade, representando porventura um dos melhores exemplos que subsiste da criação de ponte relacionais com a cultualidade ancestral nesta parte da Península Ibérica.
 
A Senhora da Porta, ou seja, aquela que guarda as entradas e as saídas de um determinado espaço, é simultaneamente causa e consequência do porvir quotidiano de uma comunidade. É dela que dependem os habitantes do local, sendo do seu carácter sacro, bem como da sua capacidade alquímica de transmutar as almas, que resulta o processo de passamento final dos mundos, num trâmite que não se concebe senão à luz das consequências sempre nefastas do pecado original.
 
 
 
 
Para os habitantes de Melgaço – Melgazo na sua grafia original -, Santa Maria maior ficava à porta, sendo para ela que convergiam as dinâmicas sociais de criação da própria localidade. No Século XII, quando surgem documentalmente as primeiras referências do povoado, marcava a sua diferença relativamente à outra igreja local, esta dedicada a Santa Maria do Campo, reformatando a ligação entre os seus fiéis e as novas práticas trazidas ao dia-a-dia do burgo em consequência do processo de independência de Portugal. A imagem de Nossa Senhora, simultaneamente mãe de Jesus e padroeira maior de Portugal, reforçava assim os seus vínculos milenares (provavelmente pré-Cristãos) com a Fé avoenga das terras nortenhas.
 
Construída à porta do antigo castelo, e marcada pelo estilo arquitectónico coevo, de um românico prenhe de apelos telúricos à força da pedra e ao peso das tradições ancestrais, a igreja nasceu por iniciativa do Arcediago de Valares, D. Garcia, que guardou para si, com autorização do Abade de Fiães, com a terça parte do padroado.
 
 
 
 
Muito desvirtuada na sua formulação estética em consequência das muitas intervenções de que foi alvo ao longo dos seus quase 900 anos de história, a Igreja de Santa Maria da Porta representa de forma muito evidente o carácter vincadamente significante que Melgaço sempre representou na estratégia de defesa das fronteiras de Portugal. A fragilidade dos primeiros tempos de nacionalidade, associados à proximidade da fronteira e às constantes investidas das tropas inimigas, fez de Melgaço um bastião essencial na defesa do reino, facto que terá condicionado de forma cabal a sua estrutura urbanística, e sobretudo a eminente necessidade de reforço e resguardo do seu castelo e da sua cinta de muralhas.
 
Singela na forma como se apresenta perante o visitante, a igreja é ela própria um testemunho vivo da força e da determinação daqueles que ao longo de muitos séculos ousaram viver neste lugar, sofrendo na pele as vicissitudes de decisões emanadas de muitos quilómetros de distância. Do alto do seu campanário, espécie de torre de vigia coeva dos primeiros anseios de Portugal, é possível vislumbrar aquilo que terá sido o Minho nessa época tão importante. Na torre sineira, colocada de forma recuada relativamente à fachada principal, é possível ainda hoje ler as assinaturas dos Portugueses de antanho que modelaram a pedra para construir esta igreja sem igual.
 
 
 
 
De nave única, marcada hoje pelo telhado de madeira que nos leva até ao altar principal, tem no seu Altar-Mor a imagem de Nossa Senhora da Conceição, provavelmente original do Século XVII, cujos contornos assentam de forma perfeita no estereótipo principal da criação do próprio Portugal. De facto, em parceria com Nossa Senhora do Campo, de cuja essência saiu para assumir o seu papel de guardiã da porta do castelo, Nossa Senhora da Porta não é mais do que a mãe-primordial dos Portugueses, numa recuperação simbólica de pressupostos de Fé que antecedem a própria ideia de Portugal.
 
Situada num dos mais belos recantos de Portugal, numa vila que sustenta o charme das suas vetustas muralhas, a Igreja de Santa Maria da Porta e a própria localidade de Melgaço, são pormenor incontornável em qualquer visita que se faça ao Norte de Portugal. Ali, pelo que subsiste da sua gloriosa história, é possível sentir e entender aquele que é o alicerce maior da Alma de Portugal. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:20


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2001
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2000
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1999
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1998
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D
  287. 1997
  288. J
  289. F
  290. M
  291. A
  292. M
  293. J
  294. J
  295. A
  296. S
  297. O
  298. N
  299. D

subscrever feeds