Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Sé Catedral de São Salvador em Angra do Heroísmo (Ilha Terceira / Açores)

por cascalenses, em 08.03.17

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
A representação simbólica de Cristo, numa linha de recriação da sacralidade que perpetua no tempo os laivos da própria eternidade, surge apoteoticamente associada ao acto da salvação. Jesus, simultaneamente Deus e Homem, Cristifica-se para salvar a humanidade, entregando-se totalmente nas mãos do Pai e abandonando a Sua vontade para que se garanta o espaço suficiente para que se expresse a vontade do Criador.
 
O Salvador do Mundo é, assim, a pedra angular na sobrevivência daqueles que sofrem e simultaneamente eixo central na Fé daqueles que paradoxalmente o buscam para nele encontrarem a plenitude de uma existência a que aspiram chegar. Para Ele convergem os olhares desesperados dos que anseiam por um Mundo melhor e é também nele que assentam a Fé os que o tomam por exemplo, procurando na replicação da sua imagem o cadinho de santidade que lhes assegura a eternidade.
 
Na Cidade de Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira, o fulcro da vivência religiosa é precisamente consagrado a São Salvador. A Sé Catedral, com dedicação ao Rei do Mundo, espelha de sobremaneira este intrincado processo de Fé, conjugando a serenidade da contemplação passiva como repositório de graças com o despojamento total e absoluto daqueles que nele procuram as condicionantes que lhes permitem compreender e perceber os desafios impostos pelo devir quotidiano.
 
 
 
 
Construída provavelmente após a colonização da Ilha Terceira no Século XV, a igreja primitiva é hoje quase completamente desconhecida dos historiadores. Logo em 1496, após a nomeação do seu primeiro vigário, a comunidade Cristã de Angra do Heroísmo percebeu que as dimensões do templo eram sobejamente inferiores às suas necessidades e que a prosperidade da ilha, associada a uma paisagem extraordinária, depressa faria crescer o número de fiéis, exigindo a construção de uma catedral de maiores dimensões.
 
Depois de várias iniciativas que tinham como objectivo o de sensibilizar a Coroa para esta necessidade essencial do povo Açoriano, foi o Cardeal Dom Henrique, já em 1568, quem mandou construir a nova igreja. E, assumindo para si a responsabilidade pela evangelização dos povos que ali habitavam, decide pagar ele, através de um imposto que a Coroa geralmente cobrava sobre os pastéis produzidos na ilha, os cerca de três mil Cruzados anuais que as obras custavam.
 
 
 
 
O primitivo Altar dedicado ao Salvador do Mundo foi assim substituído pela actual catedral, cuja construção se iniciou em 1570, quando se realizou a cerimónia solene de colocação da primeira pedra. As suas linhas maneiristas, que muitos advogam ser uma mera adaptação regional da arquitectura chã que existia na maioria dos pequenos lugares dos domínios continentais, são da autoria do arquitecto Luís Gonçalves, embora sucessivas adaptações, resultantes de intervenções variadas que o novo edifício conheceu, tenham alterado bastante o projecto original.
 
A sua surpreendente disposição no espaço, contrariando as regras normais neste tipo de construções e subvertendo o princípio de orientar para Nascente o seu Altar principal, fica a dever-se às imposições do doador do espaço que pretendeu reservar para si e para os seus o direito de ocupar o principal espaço em frente à catedral.
 
 
 
 
De dimensões imensas para a escala da Ilha Terceira, a Catedral de Angra é certamente o maior espaço de culto do Arquipélago dos Açores, para ele convergindo as dinâmicas apostólicas que determinam a sua importância na própria História de Portugal. De facto, em vários momentos da história, foi em Angra do Heroísmo que se definiram os critérios políticos que haviam de resultar em novas formas de governação de Portugal.
 
As Guerras Liberais, por exemplo, tiveram largo impacto na praxis social da Ilha Terceira e ajudaram a definir de forma sistemática aquilo que viria a ser a concretização dos novos poderes em Portugal. Nesse período, do qual o Obelisco da Memória traduz o essencial, travaram-se na catedral várias questiúnculas que depauperaram o seu tesouro e que ajudam a perceber o impacto que a guerra teve no próprio desenvolvimento de Portugal.
 
Tendo sido bastante afectada pelo grande terramoto que atingiu os Açores em 1980, e também pelo incêndio que a afectou em 1984, a Catedral de São Salvador viu quase completamente destruídos os seus elementos decorativos mais importantes. O processo e reconstrução, no entanto, acabou por redefinir de forma consolidada a sua colocação no âmbito do novo urbanismo terceirense, recriando um processo que teve como principal consequência uma enorme vinculação do povo local à Fé no seu santo padroeiro.
 
 
 
 
Sem a decoração barroca que noutros tempos levou muito longe a fama da catedral, São Salvador de Angra do Heroísmo mantêm ainda intocadas várias das muitas características que a tornam num local especial. O seu baptistério, por exemplo, ostenta ainda as pinturas maneiristas da “Circuncisão de Cristo” e da “Adoração dos Magos” que abrem a cartela que marca aquele importante espaço terceirense. Foi ali que a maior parte dos paroquianos de Angra do Heroísmo foram baptizados e, com eles, dois vultos muito grandes da nossa História. O primeiro foi o Beato João Baptista achado, mártir açoriano que pereceu no Japão num esforço hercúleo de evangelização; e o segundo a figura quase mítica de Gongunhana, o líder africano capturado por Mouzinho de Albuquerque e que, já no Século XIX, aqui recebeu a água que o iniciou na vida Católica.
 
Cognominado como o “Leão de Gaza”, Gongunhana foi o último imperador do Império de Gaza, situado no actual território de Moçambique. Depois da sua captura pelo Estado Português, foi deportado para o Açores onde chegou em 1896. A sua chegada ao porto da cidade, perante o espanto e a curiosidade imensa da população local, foi um dos mais significantes episódios da história recente de Angra do Heroísmo. Cabisbaixo e humilhado, o prisioneiro e os seus companheiros foram levados para o Monte Brasil onde ficariam instalados durante o período do exílio. Ao contrário do que muitos esperavam, a sua integração na comunidade local e na vida social da ilha decorreu de forma muito linear e simples. A humildade da sua postura e a forma como se interessou pelos usos e costumes Portugueses, acabaram por fazer com que o sentimento inicial de repúdio sentido pelos locais, se transformasse num misto quase carinhoso de adopção dos novos visitantes. Poucos anos depois da sua chegada, Gongunhana aprende a ler e a escrever e, em 1899, baptizou-se precisamente no baptistério da Catedral de São Salvador. Foi ali que acabou por falecer, já no ano de 1906, tendo sido sepultado no cemitério local.
 
 
 
 
Para ele, como também para todos aqueles que procuraram na Ilha Terceira caminhos para novas formas de vida, São Salvador representou sempre um papel essencial. No seu significado de profundo despojamento da materialidade, essencial na definição dos novos rumos que todos haviam de trilhar em direcção ao Céu, São Salvador estabelece a ponte com os cultos ao Espírito-Santo que corporizam ainda hoje a face mais visível da Fé local, desenvolvendo laços de enorme impacto no dia-a-dia das populações. O Senhor que salva a todos e que a todos acolhe nos seus braços é, afinal, exactamente o mesmo que com o Espírito-Santo coroa a criança e lhe oferece, porque ela não a entende, toda a dignificação da vida social desprovida de interesse e/ou de importância quando o destino final é o paraíso e a presença perante Deus.
 

 

A Sé Catedral de São Salvador de Angra do Heroísmo, classificada como Monumento Regional desde 11 de Junho de 1980, é hoje possivelmente o mais significativo monumento da Ilha Terceira. Pelas suas características arquitectónicas, pela história que patenteia e, sobretudo, pelo significado profundo da sua presença na definição da Identidade Açoriana, é peça de visita essencial para todos os Portugueses que tenham a sorte de visitar esta ilha tão especial. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:15



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2002
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2001
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2000
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 1999
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1998
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1997
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D