Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Henrique Felgar e a Irmandade de Santa Cruz e Passos de Viseu

por cascalenses, em 30.08.16

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Em 1907, no final de um quente dia primaveril, foi solenemente recriada a Irmandade de Santa Cruz e Passos de Vizeu, cujo compromisso foi assinado no ano seguinte em cerimónia que decorreu na mesma cidade beirã.
 
O fundador da instituição foi o Bispo Gonçalo Pinheiro, natural de Setúbal, que foi nomeado para a capital da Beira Alta em 1553, onde ficou até ao ano da sua morte, que aconteceu aos 77 anos em 1567.
 
Durante este longo lapso de tempo, Sua Eminência notabilizou-se por várias obras de índole religioso e social em Viseu, tendo deixado marca indelével nos contornos da cidade que hoje conhecemos.
 
 
 
Preparando a sua morte, concebeu e mandou construir uma capela funerária, na Sé de Viseu, que destinou para seu túmulo pessoal. Para tal, alterou a configuração original do templo e mandou reedificar com o nome de Capela da Cruz a antiga capela de São Sebastião. Mas, tendo falecido antes da conclusão das obras, foi já o seu sobrinho, Miguel Cabedo de Vasconcellos, desembargador da Casa da Suplicação, quem se encarregou da finalização dos trabalhos, para ali tendo transportado o caixão onde descansava o corpo do tio. Pouco tempo depois, foi também ele o responsável pela criação original da Irmandade de Santa Cruz e Passos, cuja sede ficou instalada na dita capela funerária onde ficara o antigo Bispo da cidade.
 
Cerca de três séculos depois, já em 1855, foi restabelecida a irmandade e criado novo compromisso que determinava a transladação da veneranda imagem do Senhor dos Passos desde a antiga Capela da Cruz para a renovada Igreja de São Miguel, que havia sido cedida à irmandade pelo então Cabido da Sé de Viseu.
 
Na cerimónia de recriação do acto, efectuada a 11 de Abril de 1907, foi assinado o compromisso definitivo, pelos 246 Irmãos presentes, tendo sido eleitos os corpos directivos da instituição. Como Provedor foi eleito Luiz Ferreira de Figueiredo; como Secretário, José de Almeida Marques; como Tesoureiro, António Gião Guimarães; como Procurador, António Augusto da Costa e Liz; como Mordomo, António de Figueiredo Caessa; e como Deputados, José Ferreira Baptista e João Maria d’Almeida.
 
 
 
 
Henrique Simões Felgar, industrial têxtil sedeado na Ribeira de Viseu, tomou posse como Irmão da Irmandade de Santa Cruz e Passos de Vizeu, com o número 1541, tendo, de acordo com os estatutos em vigor nessa época, tomado igualmente posse a sua mulher, D. Maria Ermelinda Queiroz.  
 
Com este acto solene, a que não era estranha a imensa devoção de Henrique Felgar pelo significado profundo da Santa Cruz e pelo peso institucional do Senhor dos Passos, em cuja procissão anual participava activamente, reforçaram-se os laços entre o industrial Poiarense e a cidade onde se estabeleceu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:07



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2002
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2001
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2000
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 1999
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1998
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1997
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D