Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Nossa Senhora da Encarnação em Arrouquelas – Rio Maior

por cascalenses, em 06.04.17

 

 
por João Aníbal Henriques
 
Reza a lenda que, há muitos anos, nos tempos em que mouros e Cristãos se digladiavam pela posse das úberes terras ribatejanas, Nossa Senhora terá aparecido nos campos de Arrouquelas a um grupo de pobres criancinhas.
 
A história, cujos contornos mais efectivos se perderam já nos escolhos brumosos do tempo, surge em linha com muitos outros relatos de aparições e de milagres acontecidos nos recantos encantados destas terras tão especiais, com especial relevo, neste ano de centenário, para as aparições marianas de Fátima em 1917.
 
 
 
 
E, tal como na Cova da Iria e, anos mais tarde, na Asseiceira, as aparições de Nossa Senhora em contexto rural dão sequência a outras histórias e lendas que cruzam o romantismo bucólico das mouras encantadas, à simbologia profunda e sentida do apego e da Fé na Mãe de Jesus. Aqui, em Arrouquelas, diz-se que algures nas imediações da actual igreja de Nossa Senhora da Encarnação está enterrado um pote de ouro com um tesouro mouro… E, sendo assim que o fumo da tradição popular nos aproxima da verdade histórica, será também certa a possibilidade de a actual igreja ser o reaproveitamento natural de uma antiga mesquita árabe que, colocada no centro de um território úbere do qual dependiam as populações, centralizaria o culto a Alá a partir das práticas maometanas que tão importantes foram na definição dos arquétipos ancestrais da Portugalidade.
 
A própria Encarnação de Nossa Senhora, processo profundamente alquímico de transformar em carne o espírito de Deus, traduz na essência a condição privilegiada em que este tipo de recantos desenvolve uma espiritualidade arreigada e sã, deixando transparecer nos actos de culto grande parte daquilo que é a pedra basilar da sua existência vivida.
 
 
 
 
Mas, em termos de factos históricos, pouco se sabe sobre as origens da Igreja de Nossa Senhora da Encarnação.
 
Uma inscrição colocada na fachada posterior da igreja, e que terá sido reencontrada durante uma das campanhas de obras que recentemente ali se fizeram, indica a data de 1718. Mas os factos apontam para que a igreja seja bastante anterior…
 
De facto, quando em 1739 as autoridades de Rio Maior solicitam ao Rei a autorização para criarem uma feira na localidade, que viria basicamente a substituir a antiga feira de Arrouquelas, já há muito tempo existia neste espaço uma comunidade assente no aproveitamento das potencialidades agrícolas do solo e, por isso, uma actividade comercial sustentada e sustentável que congregaria à sua volta um manancial de riqueza que não seria certamente desprezível.
 
 

 

 
 
E alguns anos antes, quando em 1634 a Irmandade de Nossa Senhora de Arrouquelas solicita ao Estado o alvará de que necessitava para regularizar a sua feira anual, já avança com a necessidade de avançar com obras de renovação e embelezamento na sua igreja. Ora, como facilmente se entende, o estado avançado da organização presente no espaço não se compadece com a inexistência de um templo e, por isso, será natural que a tradição popular que anuncia a igreja como o corolário de um processo paulatino de adaptação de um qualquer templo anterior, seja verdadeira, explicando o processo que culmina no surgimento do edifício que hoje conhecemos.
 
Qualquer que seja a verdade relativamente às suas origens ancestrais, que só poderão vir a ser desvendadas de forma definitiva com uma intervenção arqueológica consistente, o certo é que a igreja actual apresenta uma definição espacial desconcertante e diferente. De forma inesperada, a sua colocação num barranco de características amplas parece contrariar a orientação no espaço. O adro, espaço sagrado de excelência, define-se a partir da extrema do terreno, a ponto de ter de ser sustentado por um talude de alguns metros de altura que, embora abrindo a paisagem para o espaço envolvente, restringe de sobremaneira o seu crescimento, contrariando assim a natural apetência para que se tivesse procedido a uma implantação espacial completamente diferente.
 
O relógio de Sol que recentemente foi reimplantado no terreno, marcado com a data de 1869, é outro dos elementos sui generis desta igreja extraordinária. O contexto artístico em que foi definida a sua orientação, rodeado por uma rosa dos ventos de forma circular que o rodeia envolvendo o espaço num enquadramento cenográfico próprio das velhas tradições megalíticas de cunho alentejano, transporta todo o espaço para uma dinâmica de Fé transcendente, ajudando a consolidar as histórias e as lendas e contornando de forma assaz curiosa o conjunto de factos arreigados que caracterizam o povoado e as suas gentes.
 
 
 
Com data de 1918, marcando também ela um período pungente da História de Portugal, existe ainda um painel de azulejos oferecido pelo Arrouquelense Abílio Reis, em paga pela intervenção de Nossa Senhora da Encarnação em defesa dos jovens locais que engrossaram as tropas Portuguesas durante a primeira Grande Guerra.  O carácter polícromo deste painel, no qual a expressão da Encarnação de Nossa Senhora  se define de forma atípica e profundamente deslocada no tempo, reforça anda mais a indefinição em torno das características deste espaço, bem como a sua importância na definição daquilo que foram, são e serão os sentimentos identitários na comunidade vivida de Arrouquelas.
 
Seja qual for a sua História verdadeira, e os factos concretos que transformaram a Igreja de Nossa Senhora da Encarnação de Arrouquelas num dos mais importantes e significativos monumentos do Concelho de Rio Maior, o certo é que todo o espaço em que o edifício se insere está carregado de simbolismo. Ele traduz, até pelas características que apontámos na sua versão cruzada com as histórias e lendas que o acompanham, um quadro de ligação perene aos ritmos da natureza, em linha com aquilo que sempre foi o sustento principal das comunidades que ali viveram.
 
 
 
 
Pelo que não  nos dizem os documentos e pelo que todo o edifício deixa perceber, valeria a pena aprofundar em termos científicos o conhecimento em torno deste monumento, até porque a sua significação profunda, misto de laivo de Fé e de capacidade de empreendimento, determinam de forma cabal a nossa percepção em relação àquilo que é efectivamente o concelho e as suas gentes.
 
Vale a pena, por tudo isto, fazer o desvio que nos leva a Arrouquelas para conhecer, explorar e adivinhar este recanto magnífico e tão diferente!
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2002
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2001
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2000
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 1999
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1998
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1997
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D