Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Castelo de Arraiolos no Alentejo

por cascalenses, em 15.11.16

 

 
por João Aníbal Henriques
 
Quando se chegada à Vila de Arraiolos, num qualquer final de tarde estival, é impossível ficar imune à beleza do recorte extraordinário do horizonte que envolve a sua paisagem. Por detrás do casario, que parece ouvir-se chiar mercê do calor imenso que a inclemência do Sol teima em provocar, vislumbram-se as sombras inquietas do velho castelo medieval, erguido numa época longínqua quando Portugal ainda não sabia o quanto iria durar.
 
O Castelo de Arraiolos, prenhe de História e de histórias, ocupa o alto da colina de São Pedro que estrategicamente serve de miradouro à localidade. Ali, desde tempos imemoriais que se acoutaram homens procurando discernir e prevenir ao longe os ataques e investidas dos inimigos que a sua condição os havia feito ganhar. Foi dali, em assentamentos que a arqueologia já provou que se prolongam desde a Pré-História, que os primeiros homens se dedicaram a estudar a natureza, fermentando as ideias que hão-de gerar o sedentarismo que hoje vivemos.
 
 
 
 
As muralhas velhas que hoje ali vemos, e que testemunham os últimos anos desta história extraordinária, são originárias do Século XIII, quando o Rei Dom Afonso II efectua a doação da chamada ‘Herdade de Arraiolos’ ao Bispo de Évora. Nesse documento, provavelmente motivado pelo clima de crescente animosidade vivida com os vizinhos Castelhanos, surge pela primeira vez a menção à necessidade de ali ser construído um castelo.
 
Não se sabendo se esta ordem de construção foi cumprida, ou pelo menos em termos parciais, mas sabe-se, no entanto, que durante o reinado de Dom Dinis o monarca determina a construção de novas muralhas com o intuito de reforçar a segurança do lugar e, dessa maneira, de motivar a instalação de novos habitantes que o viessem povoar. Em 1306, o Rei concedeu à povoação uma verba de 2000 libras para o início dos trabalhos, tendo escolhido o Mestre João Simão para as planificar.
 
A confirmação do Foral de Arraiolos, no ano de 1310, veio encontrar o novo castelo já terminado, fazendo menção à existência da Igreja Matriz do Salvador, pitorescamente colocada no ponto mais alto do lugar.
 
 
 
 
No tempo de Dom João I, depois da grave crise de 1383-85, o novo Rei oferece Arraiolos ao seu braço-direito, D. Nun’Álvares Pereira, a quem é entregue o título de Conde de Arraiolos. O Condestável, firmemente decidido em contribuir para o sucesso do projectado Portugal, entrega-se ali aos desígnios do céu e será a partir da Igreja do Salvador, num acto profundamente vincado pela Fé que corporiza a sua intervenção militar, que prepara as muitas incursões que chefiará contra Castela que virão a traduzir-se de forma cabal nos mais importantes argumentos a apoiar a causa Nacional.
 
O Santo Condestável, mais tarde convertido por completo à regra do claustro, preparará em Arraiolos o seu percurso de iniciação religiosa, ali bebendo, provavelmente das fontes árabes que se foram conservando, os ensinamentos e a sabedoria que culminará na sua entrada no Convento do Carmo, em Lisboa, e na completa e total abdicação da materialidade.
 
No que concerne ao castelo, a principal nota da sua longa história prende-se com a reiterada queixa por parte dos moradores de diversas eras relativamente ao desconforto dos ventos que o fustigavam. Ainda no esplendor da Idade Média, quando as paredes estavam novas e ofereciam a segurança que a população desejava, foram muitas as queixas daqueles que alegavam ser difícil passar as noites no cimo do monte. Mesmo depois de se fecharem as portas, correndo o risco de desagradar aos moradores do espaço situado fora das muralhas que ficavam à mercê dos acontecimentos, a generalidade da população acordava em que era impossível ficar lá dentro.
 
 
 
 
Terá sido esse o motivo, aliás que terá determinado um progressivo abandono do espaço amuralhado em prol do assentamento nas imediações do castelo, formando aquilo que é a Vila de Arraiolos que hoje conhecemos. A população, transportando consigo as pedras das suas casas antigas, desce da colina em direcção à planície circundante, fazendo da nova povoação uma espécie de cópia directa do povoamento original.
 
Dentro das muralhas, no perímetro mais antigo, subsistem actualmente a Igreja de São Salvador e os restos do Paço dos Alcaides que o terramoto de 1755 acabou por arruinar definitivamente.
 
 
 
 
No início do Século XX, quando o Rei Dom Carlos visitou Arraiolos, eram já as ruínas muito destruídas do velho castelo que ele vai encontrar, não se conhecendo desde essas altura campanhas de obras dignas desse nome que tivessem o objectivo de o recuperar.
 
Arraiolos, com o seu castelo altaneiro, é hoje um dos quadros mais impressivos do Alentejo. A beleza do seu horizonte, mesclado com o colorido das casas, tem o condão de nos transportar para outras eras e para outro tempos, se sair do mesmo lugar.
 
Vale mesmo a pena passar um dia inteiro por lá!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2002
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2001
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2000
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 1999
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1998
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1997
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D