Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Visconde da Luz e o Despertar do Cascais Contemporâneo

por cascalenses, em 11.07.16

 

 
 
Estávamos no ano de 1862, não passando  a Vila de Cascais de um pequeno burgo piscatório, quando nela se instalou Joaquim António Velez Barreiros, Visconde de Nossa Senhora da Luz, numa moderna casa de veraneio que mandou construir na Vila Nova, antigo Alto da Bela Vista.
 
Este acontecimento, que poderia ser fortuito no desenrolar do devir histórico da localidade, foi determinante para a História de Cascais, marcando de forma definitivamente um processo de modernização que, conjugado com a chegada da Corte e do Rei Dom Luís, transformará definitivamente Cascais num dos mais cosmopolitas destinos turísticos do Mundo. A chegada do Visconde da Luz, acompanhada por uma série de benefícios que por sua iniciativa melhoraram drasticamente a vida na vila, ofereceram a Cascais um laivo de contemporaneidade que alterou por completo a vivência piscatória e ruralizante que a caracterizava até aí.
 
Acompanhando o Visconde da Luz, muitos foram os lisboetas ilustres que escolheram Cascais para seu destino de veraneio. E, em conjunto com o saudoso Presidente da Câmara João de Freitas Reis, foram o motor de arranque de um conjunto de obras públicas que dotaram Cascais de infraestruturas de excelência que culminaram na escolha da Vila por parte do Rei e da Corte.
 
 
 
 
Por postura camarária de 24 de Maio de 1860, já por sugestão do Visconde da Luz, João de Freitas Reis cria a nova estrada entre Cascais e Oeiras, obra fulcral no desenvolvimento das comunicações entre a Foz do Tejo e a Capital. Paralelamente, a mesma postura determina ainda que todos os carros, ómnibus, seges e bestas somente pudessem transportar pelo empedrado, sob pena de multa. Para o embelezamento desta importante via pública cedeu a câmara, a instâncias do Visconde da Luz, as varas necessárias para protegerem o crescimento das árvores então plantadas.
 
Foi esta postura, assente no pressuposto de que valia a pena apostar numa dinâmica diferente para a Vila de Cascais, que gerou a onda de mudanças que caracterizam esta terra daí por diante. O Visconde da Luz, ainda antes de ter efectivamente passado a residir em Cascais, foi figura determinante na definição de um modelo urbano que assentava na qualidade de vida de todos aqueles que habitavam na localidade. E foi, por esse motivo, o grande impulsionador do Cascais que hoje (ainda) temos.
 
 
(Imagens Real Villa de Cascaes)
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:24



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2002
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2001
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2000
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 1999
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1998
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1997
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D