Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os Potes Mouros das Alcobertas em Rio Maior

por cascalenses, em 09.09.16

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Os denominados Potes Mouros, situados na Freguesia de Alcobertas, no Concelho de Rio Maior, são um dos mais extraordinários e enigmáticos sítios arqueológicos do Ribatejo. A estranheza que produzem junto de quem os visita pela primeira vez, resulta do seu enquadramento na paisagem, marcada pelo tom avermelhado do grés onde assentam, mas também pela pouca informação existente sobre tão inesperado local.
 
Conhecidos um pouco por todo o território Nacional, e normalmente associados a contextos arqueológicos datados do período muçulmano, os Potes das Alcobertas são diferentes por se enquadrarem num conjunto imenso, do qual hoje se conhecem actualmente apenas 35 mas que se sabe que ainda há pouco tempo eram perto de 100, tendo sido progressivamente destruídos devido à utilização do local como pedreira em meados do Século XX.
 
 
 
 
Sem espólio associado, o que permitiria avançar com datações mais exactas, foram encontrados na década de 60 do século passado e imediatamente despertaram o interesse das comunidades envolventes. Na correspondência camarária associada a este achado, os potes são atribuídos ao período romano, embora sem que tal obedecesse a qualquer espécie de estudo científico e/ou a conclusões preliminares que tivessem sido analisadas nessa época. Pouco tempo depois, o arqueólogo Afonso do Paço chama-lhes pela primeira vez 'silos', apercebendo-se da sua função de armazenamento de cereais, apontando a existência de tampas que teriam como função selar cada um dos recipientes, preservando os grãos da humidade ou da entrada de animais.
 
É também Afonso do Paço quem, em estudos posteriormente realizados no local, avança com as primeiras teorias relativas à sua morfologia tipicamente de origem muçulmana, ressalvando o facto de se saber que os ditos silos teriam tido utilizados ininterrupta pelo menos até ao Século XV. Mas aponta também, por ser importante na indefinição relativa à cronologia do local, o facto de não ter sido encontrado qualquer espécie de espólio associado, nem tão pouco restos de quaisquer espécies de cereais.
 
 
 
O carácter único do local, com os seus túneis escavados no grés e com a estranha morfologia do espaço envolvente, transformam aquele recanto numa espécie de magnífico cenário de um filme, no qual a memória do local, cruzada com os laivos de uma história que provavelmente recua mais de 1000 anos no tempo, nos oferecem a possibilidade de efectivamente perceber como era a subsistência ancestral no actual território Português.
 
Os Potes Mouros das Alcobertas, que a Junta de Freguesia local e a Câmara Municipal de Rio Maior recentemente recuperaram, estão hoje transformados num excelente espaço museológico. Os bons acessos e as condições envolventes, são atractivo suficiente para uma visita que vale a pena fazer!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2003
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2002
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2001
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2000
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 1999
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1998
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1997
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D