Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



São Martinho de Palma (Alcácer do Sal) e o Apelo à Pureza Original

por cascalenses, em 14.02.19

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Ali mesmo, onde começa a paisagem enorme do Alentejo, encontra-se a velhíssima Aldeia de Palma com a sua vetusta igreja paroquial e um inusitado apelo a uma visita sã e demorada em linha com o apelo visual imposto pela magnitude do edifício e pelo contraste ineludível relativamente à singeleza da povoação envolvente.
 
E apesar de se saber pouco acerca das origens mais remotas desta localidade, que já foi sede de freguesia e outrora ficou conhecida como o maior dos latifúndios Portugueses, sabe-se desde logo que a grandeza e opulência da sua igreja contrasta em definitivo com a humildade quase pagã das muitas casas que a envolvem.
 
 
 
 
Acontece assim, numa dicotomia que se repete vezes sem conta por Portugal fora, basicamente porque a grandiosidade do templo espelha a riqueza imensa da terra onde o mesmo foi construído, hoje pejado de sobro e de arroz, mas outrora conhecido pela sua fertilidade pródiga que deu corpo a lendas e histórias que fazem parte da própria história de Palma.
 
É o caso das meloas, que já no Século XIX foram cantadas como as mais doces de Portugal, como já outrora outros produtos haviam trazido fama grande a este local.
 
 
 
 
Ligada de forma absoluta ao nome do empresário José Maria dos Santos, que em meados do Século XIX adquiriu a propriedade original ao Conde do Sabugal por setenta e cinco contos mercê de um processo de litígio judicial que literalmente depauperou o proprietário original, Palma cresceu desmesuradamente durante esse período. O novo proprietário, detentor de conhecimentos tecnicamente avançados e de uma capacidade empreendedora pouco usual no Portugal de então, não só se entusiasmou com a tarefa de acrescentar mais terras à terra que já tinha, como ainda introduziu técnicas modernas nas práticas agrícolas que ali concretizou. Os novos adubos, duplicando a capacidade de produção, permitiram potenciar o valor da terra e a antiga herdade, habituada a viver ao ritmo lento e sentido do Alentejo de outros tempos, depressa se transformou num negócio próspero e pujante, afirmando-se como exemplo para outros empreendedores nacionais.
 
Toda essa nova dinâmica teve repercussões na própria igreja local e é ainda hoje visível para quem a visita. O painel azulejar dedicado a São João Baptista, está datado de finais do Século XIX e acompanha a alteração do orago original do templo.
 
Originariamente dedicada a São Martinho, com notícias documentais que comprovam a sua existência pelo menos desde 1544, quando o ermitão João Rodrigues aqui viveu, a velha ermida foi crescendo ao sabor do crescimento da própria propriedade e adquire a sua volumetria inusitada actual pela mão de João Maria do Santos, que lhe dedicou uma parte da riqueza que Palma lhe conferiu.
 
 
 
 
Destruída quase por completo com o terramoto de 1 de Novembro de 1755, a velha ermida perdeu totalmente as suas características originais com o processo da reconstrução, sendo actualmente virtualmente impossível provar factualmente a sua lendária origem do Século XIII.
 
Mas não deixa de ser irónico que o dedicatória original a São Martinho, o Santo-Menino que, encaminhado para a vida de soldado, oferece metade da sua capa de Inverno para proteger um menino pobre com quem se cruzou durante uma intempérie primaveril, tenha evoluído para a maior propriedade de Portugal, numa trajectória onde o apelo à pureza original se verga de forma inclemente à necessidade de afirmação terrena e material.
 
 
 
 
Palma, outrora na rota de todos aqueles que anualmente rumavam de Lisboa para o Algarve, fica ali a meio caminho entre Águas de Moura e Alcácer-do-Sal, na Estrada Nacional que sucumbiu perante a imponência da nova auto-estrada que atravessa Portugal. Mas merece o desvio, a visita e o deslumbramento de um lugar pequenino e singelo mas detentor de uma História sem igual.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2001
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2000
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1999
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1998
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D
  287. 1997
  288. J
  289. F
  290. M
  291. A
  292. M
  293. J
  294. J
  295. A
  296. S
  297. O
  298. N
  299. D

subscrever feeds