Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cascalenses

cascalenses

O Castelo e Milfontes ou Forte de São Clemente

João Aníbal Henriques, 28.07.16

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Há lugares assim… únicos, especiais e irrepetíveis! É o que acontece com o conhecido Castelo de Milfontes, situado na foz do Rio Mira, em pleno centro histórico de Vila Nova de Milfontes, no Alentejo.
 
Construído a partir de um conjunto de ruínas já na segunda metade do Século XX, o edifício, com uma posição privilegiada sobre um dos mais bonitos recantos de Portugal, deslumbra quem dele se acerca há já muitos séculos. De facto, está comprovada a sua origem Fenícia, tendo sido também identificados vestígios arqueológicos dos períodos Grego, Cartaginês e Romano, durante os quais a posição estratégica do edifício era essencial para a defesa da barra do Rio Mira.
 
 
 
 
De facto, foi precisamente nos períodos de maior instabilidade marítima, quando o corso e a pirataria mais se desenvolveram, que o antigo castelo conheceu as suas principais benfeitorias. No final do Século XVI, depois de um ataque cerrado à zona costeira alentejana então sob domínio filipino, Filipe II de Portugal decide construir ali um forte de características modernas que fosse capaz de resolver o problema imenso de insegurança criado pelo fácil acesso marítimo à povoação. As obras arrancam desde logo, assim que o monarca solicita a Alexandre Massai, que nessa altura se encontrava a reconstruir o Forte de Porto Côvo, junto à Ilha do Pessegueiro, os planos para a criação de um baluarte marítimo em Milfontes.
 
O posterior assoreamento do rio e a perda da importância estratégica e comercial daquela região, complementada com a restauração da independência de Portugal e pela falta de meios humanos e técnicos para garantirem a manutenção do edifício, conduzem, como aliás aconteceu com muitos espaços de índole semelhante colocados um pouco por toda a costa Portuguesa, a um processo de progressivo abandono e desleixo. A ruína foi-se instalando e o Forte de São Clemente sobreviveu quase por milagre depois de ter sido envolvido num processo rocambolesco de vendas sucessivas quando no Século XX a república se instalou em Portugal.
 
 
 
 
Depois de ter sido vendido em hasta pública, rendendo menos de 500000 Reis ao Estado, foi novamente revendido a um novo proprietário particular que, dado o estado avançado de degradação no qual o edifício se encontrava, acabou por não ter os recursos suficientes para o recuperar.
 
Já na década de 30, mediante o perigo de desmoronamento do forte, a Câmara Municipal de Odemira ponderou a sua expropriação para posterior demolição e somente a falta de recursos por parte daquela depauperada autarquia garantiu o insucesso dessa funesta intenção. Novamente vendido a um particular em 1939, que recuperou integralmente o espaço e o adaptou a residência pessoal, foi possível devolver ao Castelo de Milfontes a dignidade que ele merece.
 
Residente em Lisboa, o novo proprietário resolve transformar o forte numa espécie de pousada turística, fazendo assim com que o Forte de São Clemente tenha sido um dos primeiros projectos de turismo rural existentes em Portugal!
 
 
 
 
Mais tarde, já em 2009, voltou a ser vendido a particulares, facto que se repetiu já em 2016, tendo estado o edifício anunciado para venda por 3.500.000,00 €! Substancialmente mais do que os 464.000 Reis de 1903…
 
Classificado como Imóvel de Interesse Público e 1978, o Forte de São Clemente é hoje uma peça fulcral na identidade de Vila Nova de Milfontes, carregando uma mística que transporta consigo as emoções, os sonhos e os anseios de mais de mil anos de uma histórica muito atribulada.

 

A Igreja de Nossa Senhora da Soledade em Porto Côvo

João Aníbal Henriques, 12.08.15

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Num Alentejo muito singular, no qual as planícies quase eternas se adornam com as arribas frenéticas de mar e de sal, encontramos o sítio de Porto Côvo, marcado pela brancura quase inebriante das suas casas e pelos tons fortes do azul-cobalto que dá corpo às barras que decoram as suas fachadas singelas.
 
E é de singularidade que tratamos quando entramos no Largo Marquês de Pombal, coração deste recanto único de Portugal, desenhado no Século XVIII à imagem e à semelhança da Baixa Pombalina na tão longínqua capital. Situado no coração do lugar de Porto Côvo, o largo mistura a arquitectura típica do Alentejo com os laivos de opulência de uma Lisboa de cujos ecos aqui chegam somente as inconsistências próprios da distância… Grandeza simples e uma pequenez grandiosa, recriam um cenário quase mágico a que não fica indiferente, pela sua forma, pela localização e pelas características do seu culto, a Igreja de Nossa Senhora da Soledade (ou de Porto Côvo), pontuando com a monumentalidade das grandes cidades o lugarejo de praia em que o povoado se transformou.
 
Na frontaria estão os sinais indiscutíveis da sua nascença alentejana. Os traços simples que aqui se misturam com laivos tradicionalistas do estilo neoclássico, surgem em contraponto com a grandiosidade do retábulo de talha dourada que lhe confere um toque barroco que não deixa indiferente quem a visita. 
 
A imagem de Nossa Senhora da Soledade, também ela singela na voluptuosidade das suas vestes roxas, é assim o corolário de um templo projectado no Século XVIII por Joaquim Guilherme d'Oliveira, que justifica a visita e que compõe as magníficas paisagens marítimas do lugar.