Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cascalenses

cascalenses

150 Anos da Corte em Cascais - E se o Rei Dom Luís não tivesse decidido veranear em Cascais?...

João Aníbal Henriques, 10.12.20

 

 
 
por João Aníbal Henriques
 
Em 1870 Cascais mudou radicalmente. O charme e o cosmopolitismo que hoje nos caracterizam nasceram da decisão do Rei Dom Luís I de vir veranear para Cascais e do esforço efectuado pela Corte para o seguir nesta sua inusitada escolha de vir passar o Verão nesta pequena vilória de pescadores onde aparentemente não existia nada de especial. 
 
O Cascais dos pescadores, velho, feio e muito sujo, ainda não tinha recuperado da devastação provocada pelo Terramoto de 1755 e as ruínas abundavam, emprestando à povoação um ar de degradação que contrastava com o entusiasmo do Rei que se encantou com o seu mar, a sua paisagem e as suas gentes. 
 
O Rei Dom Luís foi uma figura insigne no Portugal do seu tempo. Herdando do Pai, o Rei Dom Fernando a sensibilidade artística e cultural dos Saxe-Coburgo-Gotha, era um dos mais cultos líderes da Europa de então, pintando, compondo e tocando música e dedicando atenção especial à leitura e à tradução das obras literárias de então. O Rei vivia fascinado pelos mares e pela imensidão azul da baía de Cascais. A ponto de pedir para morrer a olhar para ela. 
 
 
 
 
Com a decisão do Rei Dom Luís Cascais transformou-se na Vila da Corte e num lugar especial. Dizia-se na Corte que Cascais era a terra em que o povo era mais nobre e a nobreza mais popular… E era comum ver o Rei, a Rainha ou os Príncipes Reais a passear descontraidamente pela vila numa proximidade quase familiar com os Cascalenses de então. 
 
Cascais desenvolveu-se muitíssimo a partir deste momento e tornou-se o cerne da vida política, económica e social de Portugal. O Clube da Parada, o Teatro Gil Vicente ou o Casino da Praia eram os locais onde todos queriam ir para serem vistos e para verem o desfile de celebridades que os enchiam permanentemente.
 
Em 2020 comemoram-se 150 anos desde esta decisão histórica do Rei Dom Luís I. E mesmo tanto tempo depois, Cascais preservou o charme e a aura quase mágica de ser um lugar extraordinário e muito especial.
 
Numa homenagem sentida ao monarca que teve o ensejo e a coragem para criar o Cascais onde temos a sorte de poder viver no momento actual, importa subverter a História e deixar no ar a pergunta que se impõe: E se o Rei Dom Luís I não tivesse decidido vir veranear para Cascais?...
 
 

 

 

 
 

Nossa Senhora da Conceição e as Memórias do Convento da Piedade em Cascais

João Aníbal Henriques, 10.12.20
No dia de Nossa Senhora da Conceição, Padroeira e Rainha de Portugal e invocação ancestral de Cascais, recuperamos a memória do Convento da Piedade, escola de filosofia e de pensamento, onde nasceu a Identidade Cascalense. Actual Centro Cultural de Cascais, o antigo convento foi cadinho de cultura, é hoje o coração cultural da nossa terra e trabalha diariamente para a consolidação no futuro da Identidade Municipal. Porque a cultura em Cascais conjuga-se no passado, no presente e no futuro.