Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Jorge de Mello (1921-2013)

por cascalenses, em 12.11.13




Na mesma semana em que o Presidente herdeiro da Venezuela Nicolás Maduro, decretou a diabolização do lucro, depois de ter antecipado o Natal e criado o dia nacional de veneração ao falecido presidente Hugo Chavez, e de assim ter condenado em definitivo a economia no seu País a regredir para níveis de penúria que vão afectar os venezuelanos durante muitos anos, morreu em Portugal o industrial Jorge de Mello (1921-2013).


Neto do fundador da CUF Alfredo da Silva, a morte de Jorge de Mello marca o fim de uma era em Portugal. Mais do que empresário, empreendedor e visionário empenhado, Jorge de Mello era um industrial que acreditava que era possível fazer, não se compadecendo com a mediocridade que quase sempre o envolveu.


Entre 1966 e 1975, enquanto líder do Grupo CUF, foi responsável pela criação de dezenas de empresas e pela política de expansão internacional que levou o nome de Portugal aos quatro cantos do Mundo. Nesse período, com mais de 100.000 funcionários a seu cargo, a política social da sua empresa impunha-se ao próprio Estado. Quando em Portugal ainda não se falava de segurança social, cuidados de saúde e de tantos outros “direitos” que hoje consideramos adquiridos e inquestionáveis, já o Grupo CUF os oferecia aos seus funcionários, fruto da capacidade de visão de Jorge de Mello.


Depois de ter perdido tudo durante a revolução de 1974, e de ter sido obrigado a refugiar-se no Brasil, Jorge de Mello regressou a Portugal nos anos oitenta. Sem meias-palavras ou ressentimentos, recomeçou praticamente do zero, e foi capaz de construir de raiz um novo império empresarial que novamente se tornou responsável por uma percentagem significativa da riqueza nacional.


Quando a crise internacional constrange de forma dramática os horizontes deste País, e no estrangeiro vão retomando forma as expressões mais inaceitáveis de perversão política, a figura de Jorge de Mello vem provar que as dificuldades que atravessamos não são resultado dos problemas conjunturais de que tanto se fala, mas sim da falta de homens como ele, que sejam capazes de acreditar no futuro e de concretizar.


À data da sua morte, com 92, Portugal deve-lhe pelo menos 5% do PIB…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:04


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2004
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2003
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2002
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2001
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 2000
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1999
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D
  287. 1998
  288. J
  289. F
  290. M
  291. A
  292. M
  293. J
  294. J
  295. A
  296. S
  297. O
  298. N
  299. D
  300. 1997
  301. J
  302. F
  303. M
  304. A
  305. M
  306. J
  307. J
  308. A
  309. S
  310. O
  311. N
  312. D