Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cascalenses

cascalenses

A Via-Rápida de Cascais: Vícios Suburbanos numa vila (ainda) especial...

João Aníbal Henriques, 26.04.17

 

 
 
A inauguração do CascaisVilla, em Novembro de 2001, representou o culminar de uma verdadeira revolução urbanística em Cascais. A substituição da antiga Rua Padre Moysés da Silva, com os seus saudosos relvados sempre bem cuidados, pela nova Avenida Dom Pedro I, com o seu perfil de via rápida em pleno coração da vila, inverteu por completo a urbanidade de Cascais, transformando drasticamente a velha e charmosa urbe em mais um moderno e incaracterístico subúrbio de Lisboa.
 
A nova porta de Cascais, encabeçada pelo popularíssimo “Titanic”, foi projectada para facilitar a entrada de automóveis na vila, deixando para segundo plano as preocupações com os peões e com o carácter antigo desta vila tão especial. As quatro filas de trânsito paralelas, atravessadas somente por quatro míseras passadeiras de peões, promovem a velocidade automóvel e dividem literalmente a velha povoação em duas partes desiguais.
 
Os semáforos foram pensados para deixar os nervos em franja a qualquer incauto passeante. O intolerável tempo de espera para os peões, aliado à falta de sincronização entre as passagens, faz com que a travessia da avenida demore tanto tempo que a maior parte das pessoas acaba por corajosamente atravessar com sinal encarnado pelo meio dos carros. Quando colocados perante a morosidade dos semáforos, os estrangeiros que ali chegam pela primeira vez e todos aqueles que não conhecem este pesadelo suburbano de Cascais, concluem geralmente que estes estão avariados e também eles empreendem a perigosa passagem…
 
E como se tal não fosse suficiente, decidiu-se juntar à confusão uma espécie atabalhoada de central de camionagem que, localizada no piso inferior do centro comercial, usufrui de um acesso literalmente encaixado à força e de forma abastardada no projecto inicial, criando uma zona de trânsito semi-condicionado e muito inseguro que poucos percebem e que ajuda a fomentar a precariedade de todo o espaço.
 
 
 
 
Mas, não bastando o carácter inusitado de toda esta situação, o recém-aprovado PDM de Cascais, ainda promove o agravamento da situação (Ver AQUI). Os parâmetros urbanísticos previstos para este local, ao invés de reverterem a situação e de devolverem a Cascais a dignidade urbana própria que a vila merece, multiplicam este carácter suburbano, potenciando o aumento da construção.
 
Poder-se-ia dizer que toda esta situação poderia ser facilmente resolvida a bem de Cascais e da sua população. E é verdade. Mas, embora as críticas sejam muitas e o rebuliço partidário se acenda a cada 4 anos, o certo é que ninguém ousou fazer as coisas de maneira diferente.
 
A Vila de Cascais, que durante muitas décadas foi local de charme e de reconhecida qualidade urbana e comercial, vem-se transformando aos poucos em mais um subúrbio desinteressante e incaracterístico de Lisboa. Os danos colaterais, bem visíveis no paulatino desaparecimento do comércio tradicional e no aumento da insegurança urbana, afectam a qualidade de vida de todos os Cascalenses, comprometendo a vocação turística municipal.
 
Mas, ao que parece, é mesmo esta a infeliz opção…  
 
 
 
 
Passadeiras? Para peões?...
 
As quatro passagens de peões existentes nesta via-rápida são insuficientes e foram desenhadas para potenciar o tráfego automóvel. O tempo de espera para peões, agravado com a falta de sincronização das mesmas, faz com que para muitos a única opção seja o atravessamento com luz encarnada, pondo em risco a sua vida e a daqueles que circulam nos carros. É intolerável!

 

Cascais Está à Venda! - Revista Fundação Cascais - Setembro de 2001

João Aníbal Henriques, 23.06.16

Corria o mês de Setembro de 2001, com as eleições autárquicas quase a chegar, quando o Concelho de Cascais acordou completamente coberto de tabuletas anunciando a venda de propriedades. Eram várias centenas, espalhadas sobretudo pela zona interior do território municipal e resultavam da utilização de um aparentemente insignificante artigo no PDM (Plano Director Municipal) dessa época para proceder à legalização rápida das centenas de loteamentos clandestinos que proliferavam nesta terra. A Fundação Cascais realizou um trabalho de fundo sobre a matéria e concluiu que cerca e 1/3 do território concelhio ficava em causa com este procedimento. E que a negociata fez prosperar muita gente...

 

Neste número desta revista histórica, uma crónica da autoria do saudoso António de Brito intitulada "Pelas Ruas da Amargura" faz um périplo pelas ruas e ruelas da Vila de Cascais. Há 15 anos, os problemas detectados eram basicamente aqueles que hoje afectam os Cacalenses. 

 

Ainda uma nota especial para as "Figuras de Cascais", neste número homenageando o Comendador Joaquim Baraona, e para o artigo de reportagem sobre o estado deplorável em que se encontrava o Palácio Real da Cidadela de Cascais. Esta foi, felizmente, uma batalha que a Fundação Cascais venceu.

 

E ainda a recuperação da memória de Cascais através de uma peça sobre a "Pastelaria Bijou" e o trabalho desvenvolvido pelo seu proprietário, Pedro Canelas, em defesa do comércio tradicional Cascalense. 

 

Vale a pena voltar a ler!